Bem-vindo a Sociedade Gnóstica | SGI

Gaio

No Sanctum Sanctorum do Templo de Salomão, quando o Sumo Sacerdote cantava o terrível mantram IAO, os tambores do Templo ressoavam para impedir que os profanos escutassem o sublime IAO.

O Grande Mestre Huiracocha disse na “Igreja Gnóstica” o seguinte: “Diodoro disse: Sabei que entre todos os deuses o mais elevado é IAO. Aides é o Inverno, Zeus principia na Primavera, Hélios no Verão, e no Outono torna à atividade IAO, que trabalha constantemente. IAO é Jovis Pater, é Júpiter, que os judeus, sem direito, chamam de Jahve. IAO oferece o substancioso vinho da vida, enquanto Júpiter é um escravo do Sol”.

I − Ignis (fogo, alma). A − Aqua (água, substância). O − Origo (causa, ar, origem).

Huiracocha disse: “IAO é o nome Deus entre os Gnósticos”. O Espírito Divino está simbolizado pela vogal O que é o círculo eterno. A letra I simboliza o ser interno de cada homem, porém ambos se misturam com a letra A, que serve de ponto de apoio.

Este é o poderoso mantram, ou palavra mágica, que se deve cantar quando se pratica Magia Sexual com a esposa sacerdotisa.

Deve−se prolongar o som das três poderosas vogais assim:

Iiiiiiiiiiiiii… Aaaaaaaaaaaaa… Oooooooooooooo…

Isto é, prolongando o som de cada vogal. Exala−se o ar depois de havê−lo inalado a plenos pulmões. Inala−se até contar vinte. Retém−se o ar até contar vinte e depois exala−se o ar vocalizando a letra I. Na exalação conta−se até vinte. Repete−se o mesmo para a letra A e para a letra O. Isto por sete vezes. Depois continua−se com os poderosos mantrans arcaicos:

KAWLAKAW, SAWLASAW, ZEESAR

KAWLAKAW faz vibrar o Homem Espírito. SAWLASAW põe em vibração a personalidade humana terrestre. ZEESAR faz vibrar o astral do homem.

Estes são mantrans antiquíssimos.

O Divino Salvador do Mundo, quando praticava com a Sacerdotisa na Pirâmide Kefren, cantava com ela o poderoso mantram Sagrado do Fogo: INRI. O Senhor de toda adoração praticou no Egito com sua Isis, combinando este mantram com as cinco vogais I.E.O.U.A.

INRI. ENRE. ONRO. UNRU. ANRA.

O primeiro para a Clarividência. O segundo para o ouvido mágico. O terceiro para o chacra do coração, centro da intuição. O quarto para o plexo solar, ou centro telepático. O quinto para os chacras pulmonares, que conferem o poder de recordar reencarnações passadas.

O mantram INRI e seus quatro derivados aplicáveis aos chacras vocalizam−se dividindo−os em duas sílabas e depois prolongando o som de cada uma das suas quatro letras mágicas. Com estes mantrans levamos o Fogo Sexual aos Chacras durante as práticas de Magia Sexual.

Retornando agora ao I.A.O., que como já dissemos é o nome Deus entre os Gnósticos, ajuntaremos o seguinte: a vogal I faz vibrar a glândula Pineal e o embrião de alma que todo ser humano leva encarnado. A vogal A põe em alta vibração o veículo físico; e a formidável O faz vibrar os testículos, transmutando maravilhosamente o licor seminal até convertê−lo em energias Crísticas que sobem vitoriosamente até o Cálice (cérebro).

O Evangelho de São João começa cantando o Verbo. “No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus”. “Este era no princípio com Deus, todas as coisas foram feitas por Ele e sem Ele nada do que é feito foi feito”. “N’Ele estava a vida, e a vida era a Luz dos homens”. “E a Luz nas trevas resplandece, mas as trevas não a compreenderam”.

A palavra João decompõe−se nas cinco vogais: I.E.O.U.A.N. Todo o Evangelho de João é o Evangelho do Verbo. Há muita gente que quer separar o Verbo Divino da Magia Sexual. Isto é absurdo. Ninguém pode encarnar o Verbo excluindo a Magia Sexual. Jesus, que é a própria encarnação do Verbo, Jesus, que é o próprio Verbo feito carne, ensinou Magia Sexual precisamente no mesmo Evangelho de São João. É necessário estudar agora o Evangelho de São João, Capítulo III, versículo 1 ao 21. Vejamos:

“Havia um homem de entre os fariseus, chamado Nicodemos, senhor entre os judeus. Este foi ter com Jesus, de noite, e disse−lhe: Rabbi, sabemos que és Mestre, vindo da parte de Deus para nos ensinar. Ninguém pode fazer estes milagres que fazes se Deus não estiver com ele. Jesus respondeu e lhe disse: Em verdade, em verdade te digo, quem não nascer de novo, não poderá ver o reino de Deus”.

Eis aqui, querido leitor, um problema sexual. Nascer tem sido e será sempre sexual. Ninguém pode nascer de teorias. Nunca vimos ninguém nascer de alguma teoria ou de alguma hipótese. Nascer não é questão de crenças… Se apenas pela crença nos Evangelhos já nascêssemos, então porque não nasceram todos os estudantes da Bíblia? Isto de nascer não é questão de crer ou não crer. Nenhuma criança nasce de crenças. Só se nasce pelo ato sexual. Isto é questão sexual. Nicodemos ignorava o Grande Arcano e, em sua ignorância, perguntou−lhe: “Como pode um homem nascer, sendo velho? Por acaso pode entrar novamente no ventre de sua mãe e nascer”? Respondeu Jesus: “Em verdade, em verdade te digo, que o que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.

Leitor, é necessário que saibas que a água do Evangelho é o próprio sêmen, e que o Espírito é o Fogo. O Filho do Homem nasceu da Água e do Fogo. Isto é absolutamente sexual.

“O que nasceu da carne é carne, e o que nasceu do Espírito, é espírito. Não te admires de eu te dizer: importa−vos nascer outra vez”. É necessário que nasça o Mestre dentro de nós mesmos. “O ar assopra onde quer; ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que é nascido do Espírito”.

Realmente aquele que nasce do Espírito brilha por um momento e depois desaparece entre as multidões. As multidões não podem ver o Super−Homem. Eis porque o Super−Homem se faz invisível para as multidões. Assim como a crisálida não pode ver a mariposa quando esta voou, assim o homem normal, comum e corrente, perde de vista o super−homem. Nicodemos não entendeu nada, e replicou: “Como é possível isso?” Respondeu Jesus e disse−lhe: “És doutor em Israel e ignoras estas coisas?” Realmente Nicodemos conhecia as Sagradas Escrituras porque era um Rabi, mas não conhecia a Magia Sexual porque não era Iniciado. Jesus continuou dizendo: “Em verdade, em verdade te digo, dizemos o que sabemos, e damos testemunho do que vimos, mas não recebeis o nosso testemunho”. Jesus deu testemunho do que sabia, do que havia visto e do que havia experimentado por si mesmo.

Jesus praticou magia sexual com uma vestal da pirâmide de Kefren. Assim Ele nasceu. Foi assim como ele se preparou para encarnar o Cristo. Foi desse modo que pôde encarnar o Cristo no Jordão.

Todos sabemos que Jesus, depois de sair do Egito, viajou pela Índia, pelo Tibet, pela Pérsia, etc., e, então de volta à Terra Santa, recebeu a Iniciação Venusta no Jordão. No momento em que João batizou o Mestre Jesus, o Cristo entrou dentro da alma do Mestre. O Cristo humanizou−se e Jesus divinizou−se. Dessa mescla divina e humana surge isso que se chama o Filho do Homem (o Super−Homem).

Se Jesus não tivesse praticado Magia Sexual no Egito, tampouco teria podido encarnar o Cristo. Teria sido um bom Mestre, mas não o modelo vivo do Super−Homem. “Se vos tenho falado das coisas terrenas e não me crêdes, como crereis, se vos falar das celestiais?” Com isto o Grande Mestre confirma que está falando de coisas terrenas, da prática da Magia Sexual. Sem esta não se pode nascer. Se a gente não acredita em coisas terrenas, como poderá acreditar nas celestiais?

“Ninguém subiu ao céu, senão aquele que desceu do céu, o Filho do Homem que está no céu.”

O Eu não pode subir ao céu porque não desceu do céu. O Eu é Satã e deve ser dissolvido inevitavelmente. Essa é a Lei.

Falando sobre a serpente sagrada, disse o Grande Mestre: “E como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem.” Necessitamos levantar a serpente sobre a vara, como fez Moisés no deserto. Isto é questão de Magia Sexual, porque o Kundalini só sobe com a Magia Sexual. Somente assim podemos levantar o Filho do Homem, o Super−Homem, dentro de nós mesmos. É necessário que o Filho do Homem seja levantado − “para que todo aquele que nele crer não se perca, e tenha a vida eterna.”

Muita gente crê que tem vida eterna e que está salva. Esse conceito é errôneo. A imortalidade é algo que nem todos possuem. Só nascendo é que se pode conseguir. A morte normal, comum e corrente, é um resto de números inteiros. Feita a operação só ficam os valores, que são o Eu Pluralizado. Legião de fantasmas que continuam, fantasmas adormecidos, fantasmas frios…

Porém, a pessoa que amamos na terra morreu. Não sendo imortal, morreu. O “Eu” é manojo de recordações. Recordações do ser amado que morreu. Só continuam as recordações. A pessoa morreu.

Os chamados corpos Astral, Mental e Causal, realmente não passam de fantasmas. É necessário praticar Magia Sexual, viver a senda do Matrimônio Perfeito, para engendrar o Astral Cristo, a Mente Cristo e o Causal Cristo. Aquele que já possui o Astral Cristo continua eternamente, não se perde, é eterno, desperta no Astral e continua desperto e vivo, depois da morte do corpo físico. Os Veículos Crísticos são engendrados com a Magia Sexual. O ser humano só tem encarnada uma fração do Causal (Alma Humana). O ser humano só tem encarnado um embrião de alma. Quem engendra seus Veículos Crísticos, encarna sua alma. Todo aquele que encarna sua alma, pode preparar−se para encarnar o Verbo. Ninguém pode encarnar o Verbo, sem antes haver encarnado sua alma. Ninguém pode encarnar sua alma sem ter engendrado os seus Veículos Crísticos com a Magia Sexual. Esta é a crua realidade dos fatos. Quem não engendrar os seus veículos crísticos, perder−se−á inevitavelmente. Felizes aqueles que levantaram o Filho do Homem, pois, além de não se perderem, eles terão a vida eterna.

“Porque de tal modo Deus amou o mundo que lhe deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que n’Ele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo para condená−lo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele. Quem n’Ele crer não será condenado; mas quem não crer já está condenado; porque não crê no nome do Filho unigênito de Deus.”

Afirmamos categoricamente que a verdadeira fé e a verdadeira crença só podem ser demonstradas por fatos. Aquele que não crê na Magia Sexual, ensinada por Jesus a Nicodemos, não crê no Filho de Deus. A fé sem obras é morta. Aquele que não crê na Magia Sexual não pode nascer, mesmo que diga: “creio no Filho de Deus,” e acabará se perdendo. O “Eu” pluralizado reencarna−se muitas vezes para satisfazer desejos, mas a lei da Recorrência, a lei da repetição de vidas, tem um limite. E, além desse limite, o Eu submerge−se definitivamente no abismo, e lá, convertido em perigoso demônio, vai desintegrando−se até passar pela segunda morte, que é mais espantosa que a morte do corpo físico. Tudo isso acontece por não ter engendrado os seus veículos crísticos, e por não ter crido na Magia Sexual ensinada por Jesus.

“E a condenação é esta: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz (odeia a Magia Sexual), e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas (discutidas). Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus”.

Tudo isto é textual do evangelho sagrado de João. É necessário nascer em todos os planos. Que faz um pobre homem, ou uma pobre mulher cheia de teorias, praticando exercícios, etc., sem haver nascido no Astral? De que servirá trabalhar com a mente, sem possuir corpo mental? O ser humano deve primeiro engendrar os seus veículos internos e depois poderá praticar o que quiser, estudar o que desejar. Contudo, em primeiro lugar deve engendrar os veículos internos para ter o direito de encarnar a alma, e mais tarde o Verbo.

O chamado Astral e o chamado Mental nada mais são do que sombras. Necessitamos engendrar o verdadeiro Astral e o verdadeiro Mental.

Quando nasce o Astral Cristo, o velho astral, o fantasma frio fica convertido em cascão vazio. Quando nasce o verdadeiro Mental (a Mente Cristo) o velho mental, o fantasma mental converte−se num miserável cascão completamente vazio. Por último dizemos que, quando nasce o verdadeiro Causal (a Vontade Cristo) então encarnamos a Alma. Ao chegarmos a estas alturas já temos existência real. Antes éramos esboços de homem, e não tínhamos existência real. Éramos miseráveis fantasmas de homens.

Esses veículos crísticos nascem através do sexo: é uma questão sexual. Tal como é em cima é em baixo. Se o físico nasce pelo sexo, os veículos superiores também nascem pelo sexo.

Todo aquele que engendra os seus veículos crísticos encarna a sua alma e passa então a falar no verbo de ouro. Esta é a língua de poder que o homem falava na antiga terra da Arcádia, onde se adorava os filhos do fogo. Essa é a língua que fala todo o Universo. Língua divina e de terrível poder. Foi nessa língua misteriosa que o Anjo da Babilônia escreveu o terrível mene, mene, tekel upharsin, no famoso banquete de Baltazar. Naquela mesma noite a sentença cumpriu−se, a Babilônia foi destruída e o Rei foi morto.

Fala−se muito da língua universal, mas esta só podemos falar quando encarnamos a alma. Então o Kundalini floresce nos lábios fecundos feito verbo. Quando a humanidade saiu do paraíso, por haver derramado o sêmen, esqueceu a língua divina, que como um rio de ouro corre majestosamente pela selva espessa do sol. As raízes de todo idioma pertencem à divina língua primitiva. O único caminho que existe para voltar a falar a língua divina é a Magia Sexual. Existe uma estreita relação entre os órgãos sexuais e a laringe criadora. Nas velhas escolas de mistérios, os Iniciados eram proibidos de relatar as antigas catástrofes anti−diluvianas pelo temor de evocar e mesmo ocasionar uma nova manifestação. Os velhos Hierofantes sabiam que existe uma íntima relação entre os elementos da natureza e o Verbo.

A obra intitulada Logos Mantram Magia, do grande mestre Gnóstico Rosacruz Dr. Arnold Krumm Heller, é uma verdadeira jóia da sabedoria oculta. O grande Mestre termina dizendo nesta obra o seguinte:

“Nos antigos tempos havia uma escola de mistérios, em que aparecia um anel no qual apareciam as imagens de Íris e Serapis, unidos por uma cobra, e o Dr. Krumm Heller acrescenta: “Aqui sintetizo tudo o que disse neste livro”. Na oitava lição do Curso Zodiacal, o Dr. Krumm Heller escreveu um parágrafo que muitos sabichões, escandalizados, depois da morte do Mestre trataram de adulterar, cada qual a seu modo e de acordo com as suas teorias. Agora vamos transcrever o tal parágrafo exatamente como o Mestre Huiracocha escreveu. Vejamos:

“Em vez do coito que chega ao orgasmo, deve o casal ser pródigo mutuamente em doces carícias, frases amorosas e delicados manuseios, mantendo a mente afastada da sexualidade animal, mantendo a mais pura espiritualidade, como se o ato fosse uma verdadeira cerimônia religiosa”.

“No entanto, o homem pode e deve introduzir e manter o pênis no sexo feminino, para que sobrevenha a ambos uma sensação divina, cheia de gozo, que pode durar horas inteiras, retirando−o no momento em que se aproxima o espasmo, a fim de evitar a ejaculação do sêmen; desse modo o casal terá cada vez mais anseio de acariciar−se”.

“Isto pode se repetir tantas vezes quantas se quiser sem jamais sobrevir o cansaço, pois, ao contrário, é a chave mágica para ser diariamente rejuvenescido, mantendo o corpo são e prolongando a vida, uma vez que é uma fonte de saúde, com esta constante magnetização”.

“Sabemos que no magnetismo comum, o magnetizador comunica fluidos ao sujeito, e, se o primeiro possui essas forças desenvolvidas, pode sarar o segundo”.

“A transmissão do fluido magnético se faz normalmente pelas mãos ou pelos olhos, mas torna−se necessário dizer que não há condutor mais poderoso, mil vezes superior a qualquer outro, que o membro viril e a vulva, como órgãos de recepção”.

“Se muitas pessoas praticarem isso, ao seu redor espalhar−se−á força e êxito para todos os que se puserem em contato comercial ou social com eles. Porém, no ato de magnetização divina e sublime, ao qual nos referimos, o homem e a mulher magnetizam−se reciprocamente, sendo um para o outro como um instrumento musical, que, ao ser tocado, emite ou tira sons prodigiosos de misteriosas e doces harmonias. As cordas desse instrumento estão espalhadas por todo o corpo, sendo os lábios e os dedos os principais pulsadores dele, sob a condição de que esse ato seja presidido pela mais absoluta pureza, a qual nos faz magos nesse instante supremo”.

Até aqui o Dr. Krumm Heller.

Este é o caminho da Iniciação. Por este caminho chega−se à encarnação do Verbo. Podemos ser estudantes rosa−cruzes, teósofos, espiritualistas, podemos praticar Ioga. Não há dúvida de que em tudo isto existem maravilhosas obras e magníficas práticas esotéricas, porém se não praticamos Magia Sexual, tampouco engendraremos o Astral Cristo, a Mente Cristo, a Vontade Cristo. Sem a Magia Sexual não podemos nascer de novo.

Praticai o que quiserdes, estudai na escola que mais gostardes, orai no templo que mais vos agrade, mas praticai Magia Sexual. Vivei a senda do matrimônio perfeito. Não somos contra nenhuma santa religião, nem contra nenhuma escola, ordem ou seita. Todas essas sagradas instituições são necessárias, mas vos aconselhamos a viver a senda do matrimônio perfeito. O matrimônio perfeito não se opõe à vida religiosa, nem às práticas esotéricas da Santa Ioga. O Movimento Gnóstico é formado por gente de todas as religiões, escolas, ordens, etc.

Recorda, amado leitor, a jóia sagrada com seu I.A.O.

No Gaio está oculto o I.A.O. Trabalha com o I.A.O.

O Sacerdote, o Mestre de toda Loja, o discípulo de Ioga, todos conseguirão nascer, poderão conservar a sua verdadeira castidade, se praticarem Magia Sexual.

Bendito seja o I.A.O. Bendita seja a Magia Sexual. Bendito seja o matrimônio perfeito. Na Magia Sexual está a síntese de todas as religiões, escolas, ordens e Iogas. Todo o sistema de auto−realização sem a Magia Sexual é incompleto e, portanto, não serve.

Cristo e a Magia Sexual constituem a suprema síntese prática de todas as religiões.

Capítulo 8 – A Alegria, a Música, o Baile e o Beijo Capítulo 10 – O Conhecimento Direto