Bem-vindo a Sociedade Gnóstica Internacional

13 dez 2011

Baralho de Tarô: Holocausto

Em toda a história da humanidade, o Holocausto foi um dos acontecimentos mais deploráveis, e junto com o genocídio dos povos nativos do continente americano, é um dos mais detestáveis exemplos da evidente ausência de limites para a crueldade do ser humano.

O holocausto foi um programa de assassinato sistemático e patrocinado pelo governo da Alemanha Nazista, liderado por Adolf Hitler, através de seus territórios ocupados, o que resultou no genocídio de milhões de judeus europeus e outros povos durante a Segunda Guerra Mundial.

Desde o término do conflito, em 1945, e mesmo durante o período de atividade dos campos de concentração, uma grande quantidade de manifestações artísticas foram realizadas de modo a representar o holocausto na cultura popular.

A arte nos campos de concentração nazistas e nos guetos era proibida, e quando eram pegos, os artistas eram imediatamente assassinados. Mesmo assim, muitas pessoas foram capazes de pintar e escrever sem serem flagradas.

Não é fácil de imaginar como os guetos eram lugares sombrios e deprimentes. Através da arte, os judeus traziam vida àqueles lugares enquanto manifestavam sua necessidade humana de expressão criativa.

Nos dias de hoje, encontramos as mais variadas representações do terror sofrido durante o holocausto, seja na literatura, na música, na dança, no cinema e nas artes visuais, como é o caso do que apresentamos a seguir.

Boris Kobe é um arquiteto e pintor esloveno, que enquanto se encontrava em Allach, um dos campos de concentração alemães da Segunda Guerra desenhou um conjunto completo de cartas de Tarô.

As cartas representam a vida no campo. Surras, tortura, fome e corrupção são mostradas nas lâminas. Kobe mostra a denutrição, a doença e a fraqueza dos prisioneiros, ao contrário dos oficiais e dos capangas, que são mostrados gordos e saudáveis.

Cada carta possui uma imagem dupla, normalmente a mesma figura, só que desenhada com algumas pequenas diferenças. Os arcanos maiores mostram cenas do cotidiano, enquanto os arcanos menores mostram um única ou duas figuras com os naipes correspondentes.

Nenhuma das cartas mostra o Louco, papel que bem poderia ser representado por Adolf Hitler. O último arcano, conhecido como o Mundo, mostra as forças de libertação, a bandeira da Eslovênia e o campo de Allach sendo incendiado.

As cartas de Kobe foram desenhadas para ilustrar os campos de concentração, e não para ser usadas como adivinhação ou estudo ocultista. Elas não possuem significados ou símbolos ocultos ou esotéricos, e são mais um retrato das experiências de Kobe do que um Tarô tradicional.

O conjunto original de cartas desenhadas por Kobe está nos Arquivos da República da Eslovênia. Uma obra de arte destinada a não esquecer os horrores da guerra, e não para entender porquê eles acontecem.

3 Respostas

  1. nousvate

    Interessante que Hitler gostava de pintar ele mesmo reconhecia o valor de um artista.

    Nos mundos internos todos os acontecimentos no cenário que venha representar a vida que são as alegrias, tristezas, ou quaisquer acontecimentos na terra ela ficam gravados como uma memória dentro do universo, e quando nos queremos saber sobre esses acontecimentos históricos eles são representados por uma grande opera e uma musica de fundo e o tarô e como que fosse uma partitura dessa grande opera ali o artista canta o que as cartas representam e no fim se ver a historia de todos os mundos inclusive os mundos infernais.
    Esse artista foi incrível ele escreveu uma opera no inferno.

    paz.

  2. silvia filha de lucifer

    LEIA SOZINHO porque no passado eu também não acreditava que ia dar certo, mas…

Deixe um Comentário