Bem-vindo a Sociedade Gnóstica | SGI

A Vida

No terreno da vida prática, sempre descobrimos contrastes que assombram. Pessoas endinheiradas, possuindo magníficas residências e muitas amizades, às vezes sofrem espantosamente…

Humildes operários da pá e da picareta, ou pessoas da classe média, vivem às vezes em completa felicidade.

Muitos arquimilionários sofrem de impotência sexual, e ricas senhoras choram amargamente a infelicidade do marido…

Os ricos da Terra parecem abutres dentro de gaiolas de ouro, e atualmente não podem viver sem “guarda−costas”…

Os homens de Estado arrastam correntes, nunca estão livres e andam por todos os lados rodeados de homens armados até os dentes…

Estudemos esta situação mais detidamente. Necessitamos saber o que é a vida. Cada um é livre para opinar como queira…

Digam o que digam, certamente ninguém sabe nada, a vida é um problema que ninguém entende…

Quando as pessoas desejam contar−nos gratuitamente a história de sua vida, citam acontecimentos, nomes e sobrenomes, datas, etc., e sentem satisfação ao fazer seus relatos.

Essas pobres pessoas ignoram que seus relatos estão incompletos, porque eventos, nomes e datas são apenas o aspecto externo do filme; falta o aspecto interno…

É urgente conhecer os “estados de consciência”: a cada evento corresponde tal ou qual estado anímico.

Os estados são interiores e os eventos são exteriores; os acontecimentos externos não são tudo…

Entende−se por estados interiores as boas ou más disposições, as preocupações, a depressão, a superstição, o temor, a suspeita, a misericórdia, a auto−consideração, a superestimação de si mesmo; estados de felicidade, estados de gozo, etc., etc., etc.

Inquestionavelmente, os estados interiores podem corresponder−se exatamente com os acontecimentos exteriores, podem ser originados por estes, ou não ter relação alguma com os mesmos…

De qualquer modo, estados e eventos são diferentes. Nem sempre os eventos se correspondem exatamente com estados afins.

O estado interior de um evento agradável poderia não se corresponder com o mesmo.

O estado interior de um evento desagradável também poderia não se corresponder com o mesmo.

Quando surgiram acontecimentos aguardados durante muito tempo, muitas vezes sentimos que faltava algo…

E, frequentemente, o acontecimento que não esperávamos veio a ser o que melhores momentos nos proporcionou…

Capítulo 5 – Acusar a Si Mesmo Capítulo 7 – O Estado Interior