Bem-vindo a Sociedade Gnóstica | SGI

A Alegria, a Música, o Baile e o Beijo

Nos lares dos irmãos Gnósticos só deve reinar o Amor e a Sabedoria. Realmente a humanidade confunde o amor com o desejo, e o desejo com o amor. Só as grandes almas podem e sabem amar. No Éden, os homens perfeitos amam as mulheres inefáveis.

Para amar, é preciso ser. Aqueles que encarnam sua alma sabem amar verdadeiramente. O Eu não sabe amar. O Eu demônio que hoje jura amor é substituído por outro Eu demônio que não quer da mesma forma. Já sabemos que o Eu é plural. O Eu pluralizado é realmente legião. Toda essa sucessão de Eus vive em luta.

Costuma−se dizer que temos uma mente. Nós, os Gnósticos, afirmamos que temos muitas mentes. Cada fantasma do Eu pluralizado tem sua mente. O Eu que beija e adora a mulher amada é substituído por outro Eu que a odeia. Para amar, tem−se que ser. O homem ainda não é. Quem não encarnou sua alma não é. O homem ainda não tem existência real. Pela boca do homem fala uma legião de demônios. Demônios que juram amar, demônios que abandonam a adorada, demônios que odeiam, demônios dos ciúmes, da ira, do rancor, etc.

Contudo, e apesar de tudo, o animal intelectual equivocadamente chamado homem tem uma fração de sua alma encarnada: a Essência, o Buddhata. Ela sabe amar. O Eu não sabe amar. Devemos perdoar os defeitos da adorada, porque esses defeitos são do Eu. O amor não tem culpa dos desgostos. O culpado é o Eu.

No lar dos iniciados gnósticos deve haver um fundo de alegria, de música e de beijos inefáveis. A dança, o amor e a ventura de querer bem fortalecem o embrião de alma que as crianças trazem em seu interior. Assim é como os lares gnósticos são um verdadeiro paraíso de Amor e Sabedoria.

Do seio dos lares gnósticos devem ser afastados o licor e a fornicação. No entanto não devemos ser fanáticos. Aquele que não é capaz de tomar um copo para corresponder a uma gentileza é tão débil como aquele que não sabe controlar a bebida e se embriaga. Fornicar é outra coisa. Isto é imperdoável. Todo aquele que ejacula o licor seminal é fornicário. Para eles, para os fornicários, o abismo e a segunda morte.

O homem pode estar em tudo, porém não deve ser vítima de nada. Deve ser rei mas não escravo. Quem tomou uma taça não cometeu delito, mas o que foi escravo e vítima da bebida, este sim cometeu delito. O verdadeiro Mestre é rei dos céus, da terra e dos infernos. O débil não é rei. O débil é escravo.

O Iniciado só se une sexualmente à esposa para praticar Magia Sexual. Infeliz daquele que se une à mulher para derramar o sêmen. O Iniciado não passa por esse sentimento de morte que experimentam os fornicários quando se separam do seu sêmen. O homem é uma metade, a mulher a outra metade. Durante o ato sexual o casal experimenta a felicidade de ser completo. Aqueles que não derramam o sêmen conservam essa ventura eternamente.

Para criar um filho não é necessário derramar o sêmen. O espermatozóide que se escapa sem o derramamento do sêmen é um espermatozóide selecionado, de tipo superior, totalmente maduro. O resultado de semelhante classe de fecundação é realmente uma nova criatura de ordem elevadíssima. Assim é como podemos formar uma raça de Super−Homens.

Não é necessário derramar o sêmen para engendrar um filho. Os imbecis gostam de derramar o sêmen. Felizmente, nós não somos imbecis. Quando um casal está unido sexualmente, os clarividentes costumam ver uma luz muito brilhante envolvendo−o. Precisamente nesse instante as forças criadoras da natureza vêm servir de meio para a formação de um novo ser. Quando o casal se deixa levar pela paixão carnal e depois comete o crime de derramar o sêmen, essas forças luminosas se retiram e, em seu lugar, penetram forças luciféricas de cor vermelha, como sangue, que trazem ao lar brigas, ciúmes, adultério, choro e desespero.

Assim é como os lares, que poderiam ser o céu na terra, convertem−se em verdadeiros infernos. Quem não derrama o seu sêmen, retém, acumula para si paz, abundância, sabedoria, felicidade e amor. Com a chave da Magia Sexual pode−se acabar com as disputas nos lares, esta é a chave da verdadeira felicidade.

Durante o ato de Magia Sexual, os casais carregam−se de magnetismo, imantam−se mutuamente. Na mulher, a bacia verte correntes femininas, enquanto os seios vertem correntes masculinas. No homem, a corrente feminina situa−se na boca e a masculina em seu membro viril. Todos esses órgãos devem estar bem excitados por meio da Magia Sexual para dar, receber, transmitir e recolher forças magnéticas vitais, que vão aumentando extraordinariamente em quantidade e em qualidade.

O baile delicioso, a música feliz e o beijo ardente, em que os casais se põem em tão íntimo contato sexual, têm por objetivo, na casa dos Iniciados Gnósticos, lograr uma mútua magnetização do homem e da mulher. O poder magnético é masculino e feminino simultaneamente, sendo que o homem necessita dos fluidos de sua esposa, se deseja realmente progredir; e ela necessita inevitavelmente dos fluidos de seu marido para conseguir o desenvolvimento de todos os seus poderes.

Quando os casais se magnetizam mutuamente, os negócios progridem e a felicidade faz o seu ninho no lar. Quando um homem e uma mulher se unem, algo se cria. A castidade científica permite a transmutação das secreções sexuais em luz e em fogo.

Toda religião que se degenera prega o celibato. Toda religião em seu nascimento e em seu esplendor glorioso prega a Senda do Matrimônio Perfeito. Budha era casado e estabeleceu o Matrimônio Perfeito.

Infelizmente, depois de quinhentos anos, cumpriu−se com absoluta exatidão a profecia feita pelo Senhor Buddha, de que seu Dharma se esgotaria e que a Sangha dividir−se−ia em seitas dissidentes. Foi então quando nasceu o monacato budista e o ódio ao Matrimônio Perfeito.

Jesus, o Divino Salvador, trouxe ao mundo o esoterismo Crístico. O Adorável ensinou aos seus discípulos a Senda do Matrimônio Perfeito. Pedro, o primeiro Pontífice da Igreja, era um homem casado.

Pedro não era celibatário. Pedro teve mulher. Infelizmente, depois de seiscentos anos, a mensagem do Adorável foi adulterada e a Igreja de Roma retornou às formas mortas do monacato budista, como seus monges e freiras enclausurados que odeiam de morte a Senda do Matrimônio Perfeito. Decorridos seiscentos anos de Cristianismo, fez−se necessária outra mensagem sobre o Matrimônio Perfeito. Apareceu então Maomé, o grande pregador do Matrimônio Perfeito. Naturalmente, como sempre, Maomé foi rechaçado violentamente pelos infra−sexuais, que odeiam a mulher. A asquerosa confraria dos inimigos da mulher acredita que só com o celibato forçado se pode chegar a Deus. Isto é um crime.

A abstenção que pregam os infra−sexuais é absolutamente impossível. A natureza rebela−se contra esse tipo de abstenção. Então vêm as poluções noturnas que arruinam o organismo, inevitavelmente. Todo indivíduo abstêmio sofre de derramamentos seminais noturnos. Vaso que se enche, derrama−se inevitavelmente. O luxo da abstenção só é possível para aqueles que já chegaram de fato ao reino do Super−Homem. Estes já converteram seu organismo em uma máquina de transmutação sexual eterna. Esses já educaram suas glândulas com a Magia Sexual. Esses são Homens Deuses. Esses são já o resultado de muitíssimos anos de Magia Sexual e de rigorosa educação da fisiologia sexual.

O Iniciado ama a música dos grandes clássicos e sente repugnância pela música infernal da gente vulgar. A música afro−cubana desperta os mais baixos fundos animais do homem. O Iniciado ama a música dos grandes compositores. Por exemplo, a “Flauta Mágica” de Mozart recorda−nos uma Iniciação Egípcia.

Existe uma íntima relação entre o Verbo e as forças sexuais. O Grande Mestre Jesus cristificou sua Palavra bebendo o Vinho de Luz do Alquimista no Cálice da sexualidade.

A alma comunga com a música das esferas quando ouvimos as nove sinfonias de Bethoven, as composições de Wagner, de Chopin ou a divina Polonesa de Lizt. A música é a Palavra do Eterno. Nossas palavras devem ser música inefável, pois assim sublimamos a energia criadora até o coração. As palavras asquerosas, sujas, imodestas, vulgares, etc., têm o poder de adulterar a energia criadora, convertendo−a em poderes infernais.

Nos Mistérios de Eleusis, as danças sagradas, o baile ao nu, o beijo ardente e a conexão sexual, convertiam os homens em Deuses. Ninguém sequer poderia pensar em pocarias, mas sim em coisas santas e profundamente religiosas.

As danças sagradas são tão antigas como o mundo e têm sua origem no amanhecer da vida sobre a terra. Os bailes Sufis e as danças dos Derviches são extraordinariamente maravilhosas. A música deve despertar no organismo humano, para falar o Verbo de Ouro.

Os grandes ritmos do Mahavan e do Chotavan com seus três compassos eternos sustentam o Universo firme em sua marcha. Esses são os ritmos do fogo. Quando a alma flutua deliciosamente no espaço sagrado, tem o dever de acompanhar−nos com seu canto, porque o Universo sustenta−se pelo Verbo.

A casa dos Iniciados Gnósticos deve estar plena de beleza. As flores que embalsamam o ar com o seu aroma, as belas esculturas, a boa ordem e o perfeito asseio fazem de cada lar um verdadeiro Santuário Gnóstico.

Os Mistérios de Eleusis ainda existem secretamente. O grande Iniciado báltico Von Uxkul é um dos mais exaltados Iniciados dessa escola. Esse grande Iniciado pratica Magia Sexual intensamente. Devemos esclarecer que a Magia Sexual só pode ser praticada entre esposa e esposo. O homem adúltero ou a mulher adúltera, fracassam inevitavelmente. Só podeis estar casados quando existir amor. Amor é Lei, porém Amor consciente. Aqueles que utilizam estes conhecimentos de Magia Sexual para seduzir mulheres são magos negros que rolarão ao abismo onde lhes aguardam o pranto e a segunda morte, que é mil vezes pior que a morte do corpo físico.

Às donzelas que andam pelo mundo, às mulheres ingênuas, queremos fazer a seguinte advertência: que só podem praticar Magia Sexual quando tiverem esposo. Que as senhoritas ingênuas tenham cuidado com os lobos astutos que andam por aí, tentando seduzi−las, sob o pretexto da Magia Sexual. Nossa advertência é para que elas não caiam em tentação.

Chamamos a atenção das fornicárias irredentas que povoam o mundo, advertindo−as que ante os olhos do Eterno é inútil tentar ocultar−se. Essas pobres mulheres que utilizam estes conhecimentos com a intenção de satisfazer a sua luxúria, deitando−se em leitos de prazer, cairão no abismo onde só as espera o choro e o ranger de dentes.

Falamos claro para que todos nos entendam. Abaixo os profanos e os profanadores. A Magia Sexual é uma espada de dois gumes. A Magia Sexual transforma os puros e virtuosos em deuses, mas fere e destrói os malvados e impuros.

Capítulo 7 – As Sete Igrejas Capítulo 9 – Gaio