Bem-vindo a Sociedade Gnóstica | SGI

Sonhos e Visões

Os estudantes gnósticos devem aprender a diferenciar os sonhos das visões. Sonhar é uma coisa e ter visões é outra. Nenhum Gnóstico verdadeiramente “desperto” pode sonhar. Só aqueles que têm a consciência adormecida vivem sonhando. O pior tipo de sonhador é o sonhador sexual. Os que vivem sonhando com paixões carnais gastam torpemente a energia criadora na satisfação de seus fantásticos prazeres. Em geral essas pessoas não progridem em seus negócios. Fracassam em todos os sentidos e acabam caindo na miséria.

Quando contemplamos uma imagem pornográfica, esta fere os sentidos e passa depois à mente. O Eu Psicológico intervém nessas coisas, roubando a imagem erótica para reproduzi−la no plano mental. No mundo da mente essa imagem se transforma em uma efígie vivente. Durante o sonho, o sonhador fornica com esta efígie vivente que, como demônio erótico, o tenta para a satisfação da luxúria. O resultado são as poluções noturnas com todas as suas horríveis consequências. Nenhum devoto verdadeiro da senda deve visitar os salões de cinemas, porque são antros de magia negra. As figuras eróticas projetadas na tela originam efígies mentais e sonhos eróticos. Além disso, os salões de cinemas estão cheios de elementais diabólicos, criados pela mente humana. Esses elementais malignos prejudicam a mente dos espectadores.

A mente subconsciente cria sonhos fantásticos no país dos sonhos. A qualidade dos sonhos depende das crenças do sonhador. Quando alguém acredita que somos bons, sonha conosco vendo−nos como anjos. Quando alguém crê que somos maus, sonha conosco vendo−nos com figura de diabos.

Muitas coisas vêm à nossa memória ao escrevermos estas linhas. No passado, quando nós, os Irmãos, trabalhamos em outros países, pudemos observar que enquanto os nossos discípulos gnósticos acreditavam em nós, sonhavam conosco vendo−nos como anjos. Bastava que deixassem de crer em nós para ver−nos em seus sonhos como demônios. Aqueles que outrora juravam ante o Altar seguir−nos e obedecer−nos, admiravam−nos com grande entusiasmo e viam−nos em seus sonhos como anjos. Entretanto, foi suficiente muitas vezes que estes estudantes lessem qualquer livro, ou escutassem qualquer conferencista, para se afiliarem a uma outra escola. Então, ao deixarem de acreditar em nós, ao mudarem o seu conceito e as suas opiniões, sonhavam conosco vendo−nos convertidos em diabos. Qual era a clarividência dessa gente? Em que deram os seus sonhos clarividentes? Que espécie de clarividente são estes que hoje nos vêem como deuses e amanhã asseguram que somos diabos? Onde está a clarividência dessa gente sonhadora? Por que se contradizem? Por que hoje juram que somos deuses e amanhã juram que somos diabos? Que significa isso?

O subconsciente é uma verdadeira tela sobre a qual os filmes internos são projetados. O subconsciente atua algumas vezes como “camera man”, outras como diretor e também como operador, que projeta imagens no fundo mental. Às vezes, o subconsciente projetista projeta na tela dos mundos internos sonhos falsos. Estes fundamentam−se nas errôneas crenças do sonhador.

É evidente que o subconsciente projetista costuma cometer muitos erros. Ninguém ignora o fato de que na tela da mente surgem muitos pensamentos errôneos, receios sem fundamento e sonhos falsos.

Outras vezes, o subconsciente projetista, guiado sabiamente pela majestade do Íntimo, projeta nos mundos internos dramas iniciáticos, acontecimentos futuros, instruções simbólicas, etc. Esse tipo de filmes internos já não são simples sonhos. Neste caso, o sonhador despertou e já não sonha. Sabe que está em corpo astral. Acha−se desperto completamente nos mundos internos. Sabe que está viajando fora do corpo físico. Pode regressar ao seu corpo físico à vontade. Tudo o que a consciência desperta vê, são visões verdadeiras, não são simples sonhos. É necessário pois distinguir, fazer uma plena diferenciação entre visões verdadeiras e sonhos. Só as verdadeiras visões são dignas de estudo e análise. Os Mestres da Loja Branca vivem nos mundos superiores completamente despertos. Eles são cidadãos cósmicos. Eles não podem sonhar, pois estão despertos.

Necessitamos transformar o subconsciente em consciente, deixar de sonhar, despertar a consciência. Quem despertou é incapaz de sonhar; enquanto seu corpo físico dorme na cama, vive nos mundos internos em estado de vigília intensificada

Nós, francamente, não podemos aceitar clarividentes que não tenham despertado a consciência. Nós não podemos aceitar clarividentes que não tenham engendrado o Astral Cristo, a Mente Cristo e a Vontade Cristo. Os clarividentes que não despertaram consciência e nem possuem seus veículos crísticos, somente vêem nos mundos internos suas próprias crenças e conceitos. Conclusão: não servem…

Só os clarividentes despertos, só os clarividentes que já possuem seus veículos crísticos, são dignos de verdadeiro crédito. Esses não são sonhadores e não se equivocam, pois são verdadeiros iluminados. Homens de semelhante classe são de fato verdadeiros Mestres da Loja Branca. As visões desta classe de homens sublimes não são simples sonhos. Estes são Mestres de perfeição. Esta classe de Mestres já não pode sonhar. Esta classe de Mestres pode investigar nas memórias da natureza e ler nos arquivos selados da criação, toda a história da Terra e de suas raças.

Todo aquele que segue a senda do Matrimônio Perfeito deve viver alerta e vigilante, como sentinela em época de guerra. Durante as horas de sono, os Mestres põem à prova os seus discípulos. Os tenebrosos nos atacam durante o sono, quando estamos trabalhando intensamente na Grande Obra. Por ocasião do sono, nos mundos internos, temos que passar por muitas provas. Os Mestres despertam a consciência do discípulo quando vão prová−lo em algo.

Capítulo 16 – O Despertar da Consciência Capítulo 18 – Consciência, Subconsciência, Supraconsciência, Clarividência