Bem-vindo a Sociedade Gnóstica | SGI

Dois Rituais

Existem ritos tenebrosos que se conservam desde tempos imemoriais da história. As feiticeiras da Tessália celebravam certos rituais nos seus cemitérios ou panteões para evocar a sombra dos falecidos. No aniversário dos seus mortos queridos, compareciam ante os túmulos e, em meio a alaridos espantosos, puncionavam os seus seios para que deles escorresse sangue, o qual servia de veículo às sombras dos mortos para poderem se materializar no mundo físico.

O grande Iniciado Homero, na sua Odisséia, conta algo sobre um ritual celebrado por um feiticeiro na Ilha de Calixto, onde reinava a cruel deusa Circe. O Sacerdote degolou uma rês num fosso, enchendo−o com seu sangue. A seguir, o sacerdote invocou o Adivinho de Tebas. Homero relata que este acudiu ao chamado e pode materializar−se totalmente graças ao sangue. O Adivinho de Tebas conversou pessoalmente com Ulisses e prognosticou−lhe muitas coisas.

O sábio autor de Zaratustra disse: “Escreve com sangue e aprenderás que o sangue é espírito”. Goethe exclamava através do seu Mefistófeles: “Este é um fluido muito peculiar”.

A Última Ceia

A Última Ceia é uma cerimônia mágica de imenso poder, algo muito semelhante à arcaica cerimônia da Irmandade do Sangue. A tradição desta Irmandade diz que se duas ou mais pessoas mesclam seu sangue num copo e depois o bebem, ficam irmanadas eternamente pelo sangue. Os veículos astrais destas pessoas associam−se então intimamente para toda a eternidade. O povo Hebreu atribui ao sangue características muito especiais. A Última Ceia foi uma Cerimônia de Sangue. Os Apóstolos trouxeram, cada um em sua taça, gotas de seu próprio sangue e verteram−nas no Cálice do Cristo Jesus. Neste Cálice, o Adorável havia vertido também o seu sangue real. Deste modo, no Santo Graal mesclou−se o sangue do Cristo Jesus com o sangue de seus discípulos. Conta a tradição, além disso, que Jesus deu a comer aos seus discípulos partículas infinitesimais de sua própria carne. “E tomando o pão, havendo dado graças, partiu−o e deu−o a eles, dizendo: Este é o meu corpo que por vós é dado; fazei isto em memória de mim”. Do mesmo modo, após a Ceia, tomou o cálice, dizendo: “Este cálice é o novo pacto em meu sangue que por vós se derrama”. Assim se firmou o pacto. Todo pacto se firma com sangue. O astral do Cristo Jesus ficou associado, unido aos seus discípulos e a toda a humanidade, pelo pacto de sangue. O Adorável é o Salvador do Mundo. Esta cerimônia de sangue é tão antiga como o Infinito. Todos os Grandes Avataras a verificaram desde os antigos tempos. O Grande Senhor da Atlântida também realizou a Última Ceia com seus discípulos.

Esta cerimônia de sangue não foi improvisada pelo Divino Mestre. Este é uma cerimônia arcaica, antiquíssima, a Cerimônia de Sangue dos Grandes Avataras.

Toda Unção Gnóstica, seja qual for o culto, crença, seita ou religião, está associada, intimamente unida à Última Ceia do Adorável pelo pacto de sangue. A Santa Igreja Gnóstica Cristã Primitiva, à qual temos a felicidade de pertencer, conserva em segredo os rituais primitivos que usaram os Apóstolos. Estes foram os rituais dos cristãos que se reuniram nas catacumbas de Roma, durante a época do César Nero. Estes são os rituais dos Essênios, casta humilde de Grandes Iniciados, entre os quais se contava o Cristo Jesus. Estes são, portanto, os rituais primitivos dos antigos cristãos. Estes rituais têm o poder. Neles se acha contida toda a nossa Ciência Secreta do Grande Arcano. Quando ritualizamos, vocalizamos certos mantrans quem têm o poder de sublimar a energia sexual até ao coração. No Templo Coração, vive o Cristo Interno. Quando as energias sexuais se sublimam ao coração têm então a imensa dita de mesclar−se com as forças do Cristo Interno para que possa entrar nos mundos superiores.

Nossos rituais repetem−se em todos os sete grandes planos cósmicos. A cerimônia ritual estabelece um canal secreto desde a região física, passando por todos os sete grandes planos, até o mundo do Logos Solar. Os Átomos Crísticos do Logos Solar descem por esse canal e, então, acumulam−se no pão e no vinho. Assim é como realmente o pão e o vinho, por obra da transubstanciação, convertem−se na carne e no sangue do Cristo. Ao comer o pão e ao beber o vinho, os Átomos Crísticos difundem−se por todo o nosso organismo e passam aos corpos internos para despertar em nós os poderes de natureza solar. Os Apóstolos beberam sangue do Cristo e comeram carne do Cristo.

As Forças Sexuais e o Ritual

Em “A Sarça de Horeb”, do Dr. Adoum (Mago Jefa) encontramos uma descrição da Missa Negra da época medieval. O Dr. Adoum transcreve o parágrafo extraído da obra de Huysmans. É tão interessante esta descrição que não podemos deixar de torná−la conhecida dos nossos leitores:

“De um modo geral oficiava um sacerdote, que se desnudava completamente, vestindo depois uma casula ordinária. Estendida sobre o altar estava uma mulher nua, usualmente a demandatriz.

Duas mulheres desnudas faziam as vezes de coroinhas, e às vezes se empregavam adolescentes que necessariamente deviam estar nuas. Os que assistiam ao ato ora se achavam vestidos, ora nus, segundo o capricho do momento. O Sacerdote cumpria cabalmente todos os exercícios do ritual e os assistentes acompanhavam esta representação com qualquer gesto obsceno. A atmosfera carregava−se cada vez mais e o ambiente tornava−se fluídico em sumo grau. Certamente tudo concorria para isso: o silêncio, a obscuridade e o recolhimento. O fluido era atrativo, isto é, punha os assistentes em contato com os elementais. Se a mulher que estava estendida sobre o altar, durante essa cerimônia, concentrasse o seu pensamento num desejo, não era raro que se produzisse uma transmissão absolutamente real, transmissão que convertia aquele que era objeto dela em verdadeira obsessão. O fim se havia conseguido. Naquele dia ou durante os dias seguintes, observava−se a realização do fenômeno, que era atribuído à bondade de Satanás. No entanto, este ambiente fluídico tinha sempre o inconveniente de exasperar os nervos e produzia em algum membro da assembléia uma crise histérica, que às vezes chegava a ser coletiva. Não era raro ver, num dado momento, mulheres enlouquecidas arrancando os seus vestidos e homens entregando−se a gestos desordenados. Em seguida inclusive caíam duas ou três mulheres ao chão, presas de violentas convulsões. Eram simples médiuns que entravam em transe. Dizia−se que estavam possuídas e todos se mostravam satisfeitos”.

Até aqui o relato de Huysmans, transcrito pelo Dr. Adoum. Por este relato podemos verificar como se abusou dos rituais e das forças sexuais para atos de terrível maldade. É claro que, durante um ritual destes, o estado de hiperexcitação nervosa, de tipo absolutamente sexual e passional, determina violentamente certo gênero de força mental saturada de energia criadora. O resultado de semelhante ritual é o fenômeno mágico.

Todo ritual está acha relacionado com o sangue e o sêmen. O ritual é uma espada de dois gumes, que defende e dá vida aos puros e virtuosos, mas fere e destrói os tenebrosos e impuros. O ritual é mais poderoso que a dinamite e que o punhal. No ritual manejam−se as forças nucleares. A energia atômica é uma dádiva de Deus, que tanto pode curar como matar. Todo templo dentro do qual se celebra a Santa Unção Gnóstica é de fato e por esse motivo, uma usina de energia atômica. Na Atlântida, os magos negros utilizavam também rituais semelhantes, combinados com as forças sexuais. O resultado daqueles abusos foi o afundamento daquele continente, que chegou a um altíssimo grau de civilização.

As forças sexuais se acham intimamente relacionadas com os quatro elementos da natureza. Todo ritual negro, toda missa negra, tem suas coordenadas fatais na natureza. Agora explicaremos quais foram as causas do afundamento da Atlântida. A força sexual é como a eletricidade, acha−se difundida por todas as partes. É uma força que reside nos elétrons. Esta força flui no núcleo de cada átomo e no centro de cada nebulosa. Sem esta força não existiriam os mundos do espaço infinito. Esta é a energia criadora do Terceiro Logos. Com esta força trabalham os magos brancos e os magos negros. Os magos brancos trabalham com os rituais brancos. Os magos negros com os rituais negros. A Última Ceia do Adorável Salvador do Mundo tem uma tradição arcaica e antiquíssima que se perde na noite dos séculos. A missa negra e todas essas cerimônias negras dos tenebrosos provêm de um passado lunar muito antigo. Em todas as épocas existiram dois rituais: um de luz e outro de trevas. O ritual é Magia Prática. Os magos negros odeiam mortalmente a Santa Eucaristia. Os magos das trevas justificam o seu ódio aos rituais do Pão e do Vinho das mais diversas formas. Algumas vezes dão aos Evangelhos as mais caprichosas interpretações de sua fantasia. Seu próprio subconsciente os atraiçoa. Tratam de acabar com a Última Ceia de algum modo. Na verdade, odeiam a Última Ceia do Adorável. Nossos discípulos devem estar alertas e vigilantes contra esta classe de sujeitos perigosos. Todo aquele que odeia os rituais da Última Ceia é mago negro. Todo aquele que repele o Pão e o Vinho da Santa Unção Gnóstica, repele de fato a carne e o sangue de Cristo. Todas estas pessoas são magos negros.

A Igreja Gnóstica

Existem quatro caminhos importantíssimos que todo Matrimônio Perfeito deve conhecer. Primeiro: o caminho do faquir. Segundo: o caminho do monge. Terceiro: o caminho do iogue. Quarto: o caminho do homem equilibrado.

O Movimento Gnóstico tem Escola e Religião.

Vivemos o primeiro caminho na vida prática aprendendo a viver retamente. O segundo caminho reside em nossa Igreja, que possui seus sacramentos, seus rituais e sua monástica.Vivemos o terceiro caminho como ocultistas práticos. Temos nossas práticas esotéricas e exercícios especiais para o desenvolvimento das faculdades latentes no homem. Vivemos o quarto ca.minho na prática, a via do homem astuto, dentro do mais completo equilíbrio. Estudamos a Alquimia e a Cabala. Trabalhamos desintegrando o Eu Psicológico.

Nós não somos membros da Igreja Católica Romana. Esta Igreja segue unicamente o caminho do monge, ao passo que nós percorremos todos os quatro caminhos. Em nossa Religião Gnóstica, com seu Patriarca, seus Arcebispos, Bispos e Sacerdotes, temos o caminho do monge. Por isso não pertencemos à Igreja de Roma. Contudo, não somos contra nenhuma religião, escola ou seita. Muitos sacerdotes da Igreja de Roma passaram para as nossas fileiras. Pessoas de todas as organizações filiaram−se ao nosso Movimento Gnóstico. Nossa Igreja Gnóstica é o que há de mais completo. No caminho do faquir aprendemos a viver retamente. No caminho do monge desenvolvemos o sentimento. No caminho do iogue praticamos os exercícios esotéricos que põem em atividade os ocultos poderes latentes do homem. No caminho do homem equilibrado trabalhamos com a Alquimia e com a Cabala e lutamos para desintegrar o Eu.

Nossa Igreja Gnóstica é a Igreja Transcendida. Essa Igreja se encontra nos mundos superiores. Também possuímos muitos templos no mundo físico. Além disso abrimos milhares de Lumisiais (Santuários) Gnósticos, onde se oficiam os Santos Rituais e se estuda a Doutrina Secreta do Adorável Salvador do Mundo. Não devemos esquecer que o nosso Movimento Gnóstico tem Escola e Religião ao mesmo tempo. Já está comprovado definitivamente que Jesus, o Cristo, foi Gnóstico. O Salvador do Mundo foi membro ativo da casta dos Essênios, místicos que jamais cortavam o cabelo nem a barba. A Igreja Gnóstica é a autêntica Igreja Primitiva Cristã, cujo primeiro pontífice foi o Iniciado Gnóstico chamado Pedro. A ela pertenceu Paulo de Tarso, que foi Nazareno. Os Nazarenos foram outra seita Gnóstica. A primitiva Igreja Cristã foi o verdadeiro tronco esotérico do qual partiram muitas seitas neo−cristãs, como: o Catolicismo Romano, o Protestantismo, o Adventismo, a Igreja da Armênia, etc.

Nós, francamente, tomamos a resolução de tornar conhecida publicamente a raiz do Cristianismo, o Gnosticismo. Esta é a Igreja Cristã Primitiva. A esta Igreja Gnóstica pertenceu o Patriarca Basilides, célebre Alquimista que deixou um livro de chumbo com sete páginas, que, segundo disse o Mestre Krumm Heller, se conserva no Museu de Kircher, no Vaticano. Este livro não pode ser entendido pelos arqueólogos, porque é um livro de ciência oculta. Basilides foi discípulo de São Matias. O Catolicismo Romano atual não é o verdadeiro Catolicismo. O legítimo Catolicismo é o Gnóstico Católico Cristão Primitivo. A seita romana atual é só um desvio do Catolicismo Gnóstico Primitivo. Esta é a causa fundamental pela qual nós, francamente, nos afastamos inteiramente da seita de Roma. À Igreja Gnóstica Católica Cristã Primitiva pertenceram santos como Saturnino de Antióquia, célebre cabalista; Simão o Mago, que desgraçadamente se desviou; Carpócrates, que fundou vários Conventos Gnósticos na Espanha, e outros como Marcion de Ponto, São Tomás, Valentin, o Grande Mestre de Mistérios Maiores chamado Santo Agostinho, Tertuliano, Santo Ambrósio, Irineu, Hipólito, Epifânio, Clemente de Alexandria, Marcos, o Grande Gnóstico que cuidou da Santa Unção Gnóstica, deixando−nos ensinamentos extraordinários sobre o caminho das forças sexuais, através das doze portas zodiacais do organismo humano. Também foram Gnósticos: Cerdon, Empédocles, São Jerônimo e muitos outros santos da Antiga Igreja Gnóstica−Católica Cristã Primitiva, da qual se desviou a atual seita romana.

Sacramentos

Em nossa Igreja Gnóstica temos Batismo, Comunhão de Pão e Vinho, Matrimônio, Confissão (conversa amistosa entre mestres e discípulos) e, por último, Extrema−Unção. Muito interessante é o Matrimônio Gnóstico da Igreja Transcendida. Neste sacramento se veste a mulher com o traje de Sacerdotisa Gnóstica, que então é entregue como esposa a seu marido. Neste ritual oficiam os santos mestres e ela é recebida por esposa com o compromisso de não fornicar.

O Cristo

A Igreja Gnóstica adora ao Salvador do Mundo chamado Jesus. A Igreja Gnóstica sabe que Jesus encarnou o Cristo e por isso o adora. Cristo não é um indivíduo humano nem divino. Cristo é um título que se dá a todo Mestre realizado a fundo. Cristo é o Exército da Voz. Cristo é o Verbo. Muito mais além do corpo, da alma e do espírito está o Verbo. Todo aquele que chega a encarnar o Verbo, recebe de fato o título de Cristo. Cristo é o Verbo mesmo.

É necessário que cada um de nós encarne o Verbo.

Quando o Verbo se faz Carne em nós, falamos no Verbo da Luz. Realmente, vários Mestres encarnaram o Cristo. Na Índia secreta vive há milhões de anos o Cristo Iogue Babaji, o imortal Babaji. O Grande Mestre de Sabedoria Kout Humi também encarnou o Cristo. Sanat Kummara, o fundador do Grande Colégio de Iniciados da Loja Branca, é outro Cristo vivente. No passado muitos o encarnaram. No presente alguns o encarnaram. No futuro muitos o encarnarão. João Batista também encarnou o Cristo. João Batista é um Cristo vivente. A diferença que há entre Jesus e os demais Mestres que encarnaram o Cristo está na Hierarquia. Jesus é o mais alto Iniciado Solar do Cosmos.

Ressurreição

O Supremo Grande Mestre Jesus vive atualmente com seu próprio corpo físico ressuscitado dentre os mortos. O Grande Mestre vive atualmente em Shamballa, que é um país secreto no Tibet Oriental. Juntamente com o Supremo Grande Mestre vivem muitos outros Mestres Ressurrectos, que colaboram com Ele na Grande Obra do Pai.

Unção

O Sacerdote Iniciado percebe em estado de êxtase a substância Cristo e ao operar magicamente, transmite a sua própria influência ao Pão e ao Vinho, despertando então a Substância Cristônica que radica nestes elementos, para operar milagres despertando os poderes Crísticos dos nossos corpos internos.

Vestimentas Sagradas

Nas Grandes Catedrais Gnósticas, o Sacerdote Gnóstico usa, normalmente, as três vestimentas de todo cura católico (sotaina, roquete e casula). Estas três vestimentas pertencem legitimamente à Igreja Gnóstica Católica Cristã Primitiva. Ele também usa o barrete. As três vestimentas superpostas representam o Corpo, a Alma e o Espírito. Os mundos Físico, Astral e Espiritual. O barrete significa que é homem e quando prega cobre a cabeça com ele para significar que só expressa opiniões pessoais.

Nos Lumisiais Gnósticos o Sacerdote só usa uma túnica de cor azul celeste com cordão branco à cintura. Usa também sandálias. As Isis dos Lumisiais Gnósticos somente cobrem a sua cabeça com um véu branco. Isso é tudo. Em outros tempos ordenamos que os assistentes usassem sua própria túnica e que fosse semelhante à túnica que cada qual leva internamente no Íntimo, segundo o seu grau esotérico. Mais tarde fomos obrigados a proibir esse costume em virtude dos abusos de muitos assistentes que, julgando−se altos Iniciados, vestiam−se com formosas túnicas e se acomodavam com sonoros nomes. Muitos que se viam com túnicas de certos graus enchiam−se de vaidade e orgulho no Ritual e olhavam com desprezo aos de menor grau esotérico.

O Altar do Ofício

O Altar do Ofício deve ser de pedra. Lembrem−se que nós trabalhamos com a Pedra Filosofal (o sexo). O Altar significa também a Terra Filosofal. O pé do Cálice, representa o talo da planta e o Cálice Sagrado simboliza a flor. Isto quer dizer que a Sabedoria Cristônica do Sol penetra no útero da terra e faz germinar o grão e crescer a espiga do trigo até surgir o fruto, a semente. Nascido o grão o restante morre. Todo o poder do Cristo Sol fica encerrado no grão. O mesmo se passa com o Vinho. O Sol faz amadurecer a uva. Todo o poder do Cristo Sol fica encerrado na uva. Com a Unção Gnóstica desligam−se do Pão e do Vinho todos os poderes Crísticos Solares, que então atuam dentro do nosso organismo cristificando−nos.

Epifania

Epifania é a manifestação, ou a revelação, ou a ascensão do Cristo em nós. Segundo Krumm Heller, Dietrich o grande teólogo disse: “Para achar − como se deseja − o religare ou a união com a Divindade, tem−se que fazê−lo por estes quatro caminhos: receber a Deus ( Eucaristia), união amorosa (Magia Sexual), amor filial (sentir−se filho de Deus), morte e reencarnação”. O Gnóstico vive estes quatro caminhos.

O Pretor

Nos mundos superiores existe a Igreja Gnóstica, a Catedral da Alma. Nessa Catedral realizam−se rituais às sextas−feiras e aos domingos pela aurora, ou quando se necessita fazer bem à humanidade. Muitos devotos comparecem ao “Pretor” em corpo astral. Também existem alguns atletas da ciência “Jinas” que levam seu corpo físico ao Pretor. Ali todos estes devotos têm a felicidade de receber o Pão e o Vinho.

Chave para Sair em Astral Conscientemente

A chave para sair em Astral é muito simples: basta adormecer pronunciando o poderoso mantram FARAON. Este mantram divide−se em três sílabas: FA… RA… ON…

Quando o devoto estiver nesse estado de transição entre a vigília e o sono, adentrar−se−á em si mesmo por meio da auto−reflexão consciente e depois saltará suavemente de sua cama completamente identificado com o seu espírito suave e fluídico. Em corpo astral todo devoto pode comparecer ao Pretor. As pessoas que ainda não engendraram o Astral Cristo sofrem muito porque não conseguem aprender a sair no astral, a não ser com milhares de sofrimentos e depois de muitíssimo trabalhar. Aqueles que em passadas encarnações engendraram o Astral Cristo, saem do corpo físico com suma facilidade.

Chave para Carregar o Corpo Físico em Estado de Jinas

O discípulo concentrar−se−á no Mestre “Oguara”. O discípulo deve adormecer fazendo esta oração: “Creio no Cristo, creio em Oguara, Babaji, Mataji e nos Mestres Jinas. Tirai−me de minha cama com o corpo físico e levai−me à Igreja Gnóstica com o meu corpo físico em estado de Jinas”.

O devoto deve rezar esta oração milhares de vezes, deve adormecer rezando esta oração. Quando o devoto sentir−se mais adormecido do que desperto, quando sentir o seu corpo como se estivesse fraco e cheio de lassidão, quando se sentir embriagado pelo sono e já começar a sonhar, deve, então, levantar−se de sua cama conservando o sono como o avaro conserva seu tesouro. Todo o poder está no sono. Nesses instantes estão trabalhando terríveis forças que elevam a vibração do corpo físico, acelerando o movimento dos átomos a velocidades assombrosas. Então o corpo físico entra em estado de jinas. Penetra no hiperespaço. Se o estudante der um salto com a intenção de flutuar, notará então com assombro que pode voar. Nesse estado é invisível para o mundo físico, e assim pode assistir o Pretor.

Quando o corpo físico estiver entrando em estado de jinas começará a inflar−se, começando de baixo para cima, desde os tornozelos. O corpo não se infla propriamente, mas as forças astrais o compenetram dando−lhe essa aparência de inflado.

Aspectos Gerais do Ritual Gnóstico

Quando o Oficiante Católico vai do lado da Epístola para o lado do Evangelho, para os profanos romanistas é a ida de Cristo de Herodes a Pilatos, mas para os Sacerdotes Gnósticos é o passo de um mundo a outro depois da morte.

As Quatro Estações

Nós, os Gnósticos, usamos em cada estação um hábito distinto. No astral há anjos que se revezam em seu trabalho de ajudar à humanidade. Rafael na primavera, Uriel no verão, Miguel no outono, Gabriel no inverno. Todos estes anjos acorrem aos Rituais Gnósticos para ajudar−nos.

O Pai Nosso

A mais poderosa de todas as orações ritualísticas é o Pai Nosso. Esta é uma oração mágica de imenso poder. Imaginação, inspiração e intuição são os três caminhos obrigatórios da Iniciação.

O Mestre Huiracocha diz o seguinte: “Primeiro é preciso ver interiormente as coisas espirituais e depois tem−se que escutar o verbo ou palavra divina para ter nosso organismo espiritual preparado para a Intuição. Esta trindade encontra−se nas três primeiras súplicas do Pai Nosso, a saber: “Santificado seja o Teu Nome”, isto é, o Verbo Divino, o nome magnífico de Deus, a Palavra Criadora.

“Venha a nós o Teu Reino”, isto é, com a pronunciação do Verbo, dos Mantrams, vem a nós o Reino interno dos Santos Mestres. Nisto consiste a união com Deus, ficando tudo resolvido… Com estas três petições, diz Krumm Heller, pedimos integralmente. E, se algum dia o lograrmos, já seremos Deuses e, portanto, já não necessitamos pedir.

A Igreja Gnóstica conserva toda a doutrina secreta do Adorável Salvador do mundo. A Igreja Gnóstica é a religião da alegria e da beleza. A Igreja Gnóstica é o tronco virginal de onde saiu o Romanismo e todas as demais seitas que adoram o Cristo. A Igreja Gnóstica é a única igreja que conserva em segredo a doutrina que o Cristo ensinou de lábios a ouvidos aos seus discípulos.

Não somos contra nenhuma religião. Convidamos às pessoas de todas as santas religiões que adoram ao Senhor para estudarem a nossa Doutrina Secreta.

Não devemos esquecer que existem dois rituais: um de luz e outro de trevas. Nós possuímos os rituais secretos do Adorável Salvador do Mundo.

Não desdenhamos, nem subestimamos nenhuma religião. Todas as religiões são pérolas preciosas, engastadas do fio de ouro da Divindade. Afirmamos unicamente que a Gnose é a chama donde saem todas as religiões do universo. Isso é tudo.

Capítulo 11 – Crescei e Multiplicai−vos Capítulo 13 – As Duas Marias