Bem-vindo a Sociedade Gnóstica Internacional

5 jun 2012

Os 7 Destinos de Peregrinação Mais Visitados do Mundo

Poucas coisas trazem maior senso de identidade e renovação da busca espiritual para uma pessoa mística ou religiosa do que estar em carne e osso nos lugares que serviram de palco para os mais importantes eventos da história de sua religião. Ali estiveram aqueles personagens que deram vida aos seus mitos, realizaram rituais em sua forma mais arcaica e ajudaram a construir o seu conjunto de crenças e preceitos.

Levados por esta sensação de união com Deus através da visitação de lugares considerados sagrados, todos os anos milhões de peregrinos se dirigem aos lugares que possuem um significado espiritual singular, na esperança de encontrar em construções feitas pelo homem ou em elementos da própria natureza uma espécie de transformação interior, de sabedoria reveladora ou apenas de alívio e conforto.

Estas viagens são chamadas de peregrinações, as quais podem ser consideradas como jornadas em busca de significado espiritual. Normalmente, estas jornadas são empreendidas em direção à um santuário ou à qualquer lugar que seja importante para uma religião. Conhecer estes lugares pode ajudar a converter a peregrinação em uma jornada interior, e por isso veremos hoje os 7 destinos de peregrinação mais visitados do mundo.

7. Os Jardins Bahá’í

Os Jardins Bahá’í podem ser encontrados Edifícios do Centro Mundial Bahá’í em Israel e em outros lugares, bem como nas Casas de Adoração Bahá’í. Muitos santuários Bahá’í localizados em Haifa estão inscritos na lista de Patrimônios Mundiais de julho de 2008.

Os Terraços da Fé Bahá’í, também conhecidos como os Jardins Suspensos de Haifa, são terraços de jardins dispostos em torno do Santuário de Báb, no Monte Carmelo em Haifa, Israel. Eles são uma das atrações mais visitadas em Israel.

Cerca de meio milhão de pessoas visita os Jardins Bahá’í em Haifa, a maior cidade do norte de Israel. Os jardins são geométricos e simétricos, alinhados com avenidas de flores, criando um ambiente de serenidade, que favorece a mente meditativa e a sensação de paz. O centro do local envolve os visitantes sem qualquer construção em forma de muro.

O trabalho de construção dos Terraços começou em 1987 com o desenho dos jardins. Eles foram abertos ao público em junho de 2001. Começando pela base, os Jardins se estendem por cerca de um quilômetro acima de um dos lados do Monte Carmelo.

Sua extensão total cobre 200 mil metros quadrados de terra. Os Jardins estão conectados por um conjunto de escadas flanquadas por duas correntes de água que descem em cascata pelos lados da montanha, através dos degraus e das pontes. Os Jardins possuem elementos dos jardins persas de Xiraz e do Irã, dos jardins Nishat Bagh da Caxemira e da Índia e dos jardins ingleses, isolando o local dos barulhos das redondezas e conectando os diversos edifícios Bahá’í situados no Monte Carmelo.

6. A Cidade de Lourdes

Lourdes é uma pequena cidade localizada no departamento dos Altos Pirineus, região do Médios Pirineus, famosa pelas aparições marianas de Nossa Senhora de Lourdes, ocorridas em 1858 para Bernadette Soubirous.

Naquela época, a maior atração da cidade era o castelo fortificado localizado em uma montanha rochosa situada bem em seu centro, estrategicamente posicionado à entrada dos sete vales de Lavedan.

Após os relatos de que Nossa Senhora de Lourdes aparecera para Bernadette Soubirous em um total de dezoito ocasiões, Lourdes se desenvolveu e se tornou num dos maiores destinos de peregrinação católica romana.

A maioria das pessoas vai à Lourdes em busca de curas milagrosas. O 150° Jubileu da primeira aparição aconteceu dia 11 de fevereiro de 2008, quando foi celebrada uma missa que contou com a presença de cerca de 45000 peregrinos.

Nos dias de hoje, a população de Lourdes gira em torno de 15000 habitantes, mas possui capacidade para receber aproximadamente cinco milhões de visitantes e turistas a cada estação. Com cerca de 270 hotéis, Lourdes possui a segunda maior cadeia de hotéis por quilômetro quadrado da França, perdendo apenas para Paris.

5. O Templo de Vaishno Devi

O templo de Vaishno Devi é um dos templos sagrados hindus dedicados à Shakti. Está localizado em uma caverna nas montanhas de Vaishno Devi, no estado de Jammu e Caxemira, na Índia. Vaishno Devi é uma das manifestações da Deusa Mãe.

Trata-se de um dos lugares mais reverenciados em toda a Índia. O santuário está há mais de 1500 metros de altitude e à aproximadamente 14 quilômetros de Katra.

Aproximadamente 8 milhões de peregrinos visitam o templo todos os anos, sendo este o segundo santuário mais visitado da Índia, após o templo Tirumala Venkateswara. Para chegar à caverna, os peregrinos devem andar cerca de 13 quilômetros, mas somente após terem conseguido permissão para avançar em sua jornada.

Uma vez que os peregrinos chegam à entrada da caverna, o caminho se converte em um túnel estreito, onde corre um riacho chamado Charan Ganga. Os peregrinos devem atravessar este rio para chegar ao centro do santuário.

A caverna sagrada que abriga o santuário de Vaishno Devi está assentada numa montanha que forma parte dos Himalaias. Em seu interior existem imagens de três divindades chamadas Mahakali, a deusa da morte, Mahalakshmi, a deusa da prosperidade e Mahasaraswati, a deusa do conhecimento.

4. A Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe

A Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe é uma igreja católica romana, considerada Santuário Nacional do México, localizada ao norte da cidade do México. O lugar é também conhecido como La Villa de Guadalupe.

O santuário foi construído próximo ao local onde a Virgem de Guadalupe apareceu para o nativo mexicano Juan Diego Cuauhtlatoatzin, no ano de 1531.

A Basílica abriga o manto original de Juan Diego, onde a Virgem de Guadalupe teria estampado milagrosamente sua imagem, de modo que fosse mostrada ao Bispo, o que resultou na construção do santuário.

Este é um dos mais importantes destinos de peregrinação do catolicismo, sendo visitado por milhões de pessoas todos os anos, especialmente em torno do dia 12 de dezembro, o dia da festa de Nossa Senhora de Guadalupe.

As peregrinações ao local da aparição começaram já no mesmo ano do acontecimento. No ano seguinte foi construído um santuário aos pés do monte Tepeyac, que serviu por noventa anos e que, em parte, ainda integra a sacristia paroquial. Em 1622, um novo santuário foi erigido; outro, ainda mais elaborado e rico, em 1709.

Todos os anos, aproximadamente 10 milhões de pessoas visitam a Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe, o que faz com que este santuário mexicano seja considerado o santuário mariano mais popular do mundo, além da segunda igreja católica mais visitada do mundo, perdendo apenas para a Basílica de São Pedro.

3. O Templo Dourado de Amritsar

O Templo Dourado de Amritsar, também chamado de Harmandir Sahib, é um dos mais importantes lugares de adoração do Sikhismo, localizado na cidade de Amritsar, estado de Punjab, na Índia.

Sua construção foi iniciada pelo Guru Ram Das, o quarto Guru Sikh, e completada pelo seu sucessor, o Guru Arjan Dev. Quando o Guru Arjan Dev completou o Adi Granth, a escritura sagrada do Sikhismo, ele a depositou no Templo Dourado.

Durante o século XVIII, o Templo Dourado foi palco de batalhas frequentes entre os Sikhs e as forças afegãs, fazendo com que a sua construção fosse danificada por diversas vezes.

No século XIX, o Marajá Ranjit Singh protegeu a região de Punjab dos ataques estrangeiros e cobriu os andares superiores do templo com puro ouro, o que conferiu à ele sua aparência que lhe empresta o título.

O Templo Dourado dos dias atuais foi reconstruído em 1764 pelo Marajá Maharaja Jassa Singh Ahluwalia, com a ajuda dos líderes Sikhs. Entre os anos de 1802 e 1830, Ranjit Singh adicionou ouro e mármore à construção, enquanto seu interior foi decorado com afrescos e pedras preciosas.

Por representar a identidade e a herança espiritual e cultural dos Sikhs, o Templo Dourado recebe em média cinquenta mil visitantes todos os dias, tornando-o um dos lugares de peregrinação mais visitados do mundo. Contudo, ao contrário de Meca por exemplo, qualquer pessoa pode visitá-lo, não importando a sua religião ou a sua posição social.

2. A Cidade de Meca

Meca é uma cidade localizada na região oeste da Arábia Saudita. Ela se encontra à 70 km da costa do Mar vermelho, em um vale estreito, situado à cerca de 300 metros acima do nível do mar.

Sua população residente em 2012 é de 2 milhões de habitantes, apesar de que seus visitantes turistas acabam triplicando este número todos os anos durante o décimo-segundo mês do calendário lunar muçulmano.

É neste período que acontece a Hajj, a peregrinação obrigatória que todo muçulmano deve realizar pelo menos uma vez na vida, e que constitui o quinto dos 5 Pilares do Islã.

Meca é o lugar de nascimento do profeta Maomé, e também o local onde o Alcorão foi escrito. Atualmente, mais de 15 milhões de muçulmanos visitam a cidade todos os anos, incluindo os muitos milhões durante os poucos dias da Hajj.

Como resultado deste fenômeno, Meca se converteu em uma das cidades mais cosmopolitanas e diversas do mundo árabe, mesmo que os não-muçulmanos continuem sendo proibidos de entrar nela. A expansão urbana da cidade fez com que muitos monumentos históricos fossem derrubados e sítios arqueológicos fossem destruídos.

Em Meca está a Caaba, uma construção em forma de cubo, o lugar mais sagrado do Islã. O Alcorão afirma que a Caaba foi construída por Abraão e seu filho Ismael, depois que o último chegou à Arábia. A construção possui uma mesquita à sua volta, chamada Masjid al-Haram. Todos os muçulmanos do mundo voltam-se para a Caaba durante as suas orações, não importa onde estejam.

1. O Rio Ganges

O Ganges é um rio com extensão de 2525 km, que nasce no lado ocidental dos Himalaias, no interior da Índia, e flui em direção ao sul e ao leste até entrar em Bangladesh, desaguando no golfo de Bengala.

Ele é considerado um dos 20 maiores rios do mundo. Suas margens são as mais populosas do mundo, onde vivem cerca de 400 milhões de pessoas, numa densidade populacional de 390 por km.

O rio Ganges é o rio mais sagrado entre os hindus, sendo cultuado como a deusa Ganga. Mais que isso, ele é fonte de sobrevivência para os milhões de indianos que vivem às suas margens e dependem de suas águas para suas atividades cotidianas.

Os peregrinos que se dirigem ao Ganges procuram especialmente pelas cidades de Haridwar, Allahabad e Varanasi, consideradas sagradas para o Hinduísmo. Ali eles se banham em suas águas, num ritual de purificação dos pecados e de busca pela salvação.

Apesar disso, o rio Ganges foi considerado um dos cinco rios mais poluídos do mundo em 2007. Próximo à Varanasi, atingiu um nível de coliformes fecais mais de cem vezes superior aos limites impostos pelo governo.A poluição do rio não ameaça apenas os seres humanos, mas também cerca de 140 espécies de peixes, 90 espécies de anfíbios e o golfinho do Ganges, animal ameaçado de extinção.

3 Respostas

  1. nousvate

    O interessante e que La no fundo da alma humana o ser humano busca inconscientemente a gnose, infelizmente o que falta e a pessoa compreender o que realmente e religião e o que e Fe.

    O religare que liga as formas religiosas e sustentadas pelas as colunas da gnose, infelizmente as pessoas desconhece os mistérios, e cai na crença, há sem sombra de duvida, uma carência em todo ser humano por algo divino, por uma lógica, e o porquê de suas necessidades básica da vida.

    Na divina comedia de Dante, se ver claro que essas pessoas que peregrinam e que vive na crença quando morrer continua no mesmo sofrimento, e isto não e alógica que traz o religare.

    Precisamos de um amadurecimento espiritual, e toda humanidade deve compreender que toda a religião não passa de expressões que parte da mesma fonte “deus”, e que, deus esta dentro de toda criatura sendo ela movida e alimentada pelo o mesmo criador.

Deixe um Comentário