Bem-vindo a Sociedade Gnóstica Internacional

A Mudança Radical

7 set 2016

A Mudança Radical

Enquanto um homem prossiga com o erro de crer-se a si mesmo como Um, Único, Individual, é evidente que a mudança radical será algo mais que impossível.

O fato de que o trabalho esotérico comece com a rigorosa observação de si mesmo, nos está indicando uma multiplicidade de fatores Psicológicos, Eus ou elementos indesejáveis que é urgente extirpar, erradicar de nosso interior.

Inquestionavelmente de modo algum seria possível eliminar erros desconhecidos, urge observar previamente aquilo que queremos separar de nossa Psique.

Este tipo de trabalho não é externo senão que interno e quem pense que qualquer manual de urbanidade ou sistema ético externo e superficial lhes poda levar ao êxito, estarão de fato, totalmente equivocados.

O fato concreto e definitivo de que o trabalho intimo comece com a atenção concentrada na observação plena de si mesmo, é motivo mais que suficiente como para demonstrar que isto exige um esforço pessoal muito particular de cada um de nós.

Falando francamente e sem embargos, asseveramos de forma enfática o seguinte: Nenhum ser humano poderia fazer este trabalho por nós.

Não é possível mudança alguma em nossa Psique, sem a observação direta de todo este conjunto de fatores subjetivos que levamos dentro.

Dar por aceita a multiplicidade de erros, descartando a necessidade de estudo e observação direta dos mesmos, significa de fato uma evasiva escapatória, uma fuga de si mesmo, uma forma de auto-engano.

Somente através do esforço rigoroso da observação judiciosa de si mesmo, sem escapatórias de nenhuma espécie, poderemos evidenciar realmente que não somos “Um”, senão “Muitos”.

Admitir a pluralidade do EU e evidenciá-la através da observação rigorosa, são dois aspectos diferentes.

Alguém pode aceitar a Doutrina dos muitos Eus sem haver jamais evidenciado, este ultimo só é possível auto-observando-se cuidadosamente.

Evitar o trabalho de observação íntima, buscar evasivas, é sinal inconfundível de degeneração.

Enquanto o homem sustente a ilusão de que é sempre uma mesma pessoa, não pode mudar, é obvio que a finalidade deste trabalho é precisamente lograr uma mudança gradual em nossa vida interior.

A transformação radical é uma possibilidade definida que normalmente se perde quando não se trabalha sobre si mesmo.

O ponto inicial da mudança radical permanece oculta enquanto o homem continue crendo-se um.

Quem rechaça a Doutrina dos muitos Eus demonstra claramente que jamais se auto-observou seriamente.

A severa observação de si mesmo, sem escapatórias de nenhuma espécie, nos permite verificar por nós mesmos o cru realismo de que não somos “Um” senão “Muitos”.

No mundo das opiniões subjetivas, diversas teorias pseudo esotéricas ou pseudo-ocultistas, servem sempre de saída para fugir de si mesmos…

Inquestionavelmente a ilusão de que se é sempre uma e a mesma pessoa, serve de obstáculo para a auto-observação…

Alguém poderia dizer: “Sei que não sou Um senão Muitos, a Gnosis me ensinou”. Tal afirmação ainda que fosse muito sincera, se não existisse plena experiência vivida sobre esse aspecto doutrinário, obviamente tal afirmação seria algo meramente externo e superficial.

Evidenciar, experimentar e compreender é o fundamental, só assim é possível trabalhar conscientemente para conquistar uma mudança radical.

Afirmar é uma coisa e compreender é outra. Quando alguém diz: “Compreendo que não sou Um, senão Muitos”, se sua compreensão é verdadeira e não mero palavreado insubstancial de conversa ambígua, isto indica, assinala, plena verificação da Doutrina dos Muitos Eus.

Conhecimento e Compreensão são diferentes. O primeiro destes é da mente, o segundo do coração.

O mero conhecimento da Doutrina dos Muitos Eus de nada serve; desafortunadamente por estes tempos em que vivemos, o conhecimento foi muito além da compreensão, porque o
pobre animal equivocadamente chamado homem, desenvolveu exclusivamente o lado do conhecimento, esquecendo lamentavelmente o correspondente lado do Ser.

Conhecer a Doutrina dos Muitos Eus e compreende-la, é fundamental para toda mudança radical verdadeira.

Quando um homem começa a observar detidamente a si mesmo, desde o ângulo que não é Um senão Muitos, obviamente iniciou o trabalho sério sobre sua natureza inferior.

(Samael Aun Weor, Psicologia Revolucionária, Capítulo 12)

3 Respostas

  1. Jaílton

    Gosto muito do estudo gnóstico.Ja freqüentei templos físico no Rio comprido-RJ. porém meu trabalho me transferio para Salvador-BA. Eperdi contato físico com a Loja. Agora estou de volta ao Rio.

Deixe um Comentário