Bem-vindo a Sociedade Gnóstica Internacional

10 maio 2011

São Francisco e o Lobo de Gubbio

A pacata cidade de Gubbio, localizada na região central da Itália, teve seu sossego perturbado. Numa floresta não muito longe dali vivia um grande lobo, terrível e feroz, que não só devorava animais, mas também homens. O pavor era tamanho que a cidade foi cercada com altas muralhas e as portas das casas foram reforçadas. Ninguém hesitava em sair armado daquele povoado.

Certa vez, a cidade recebeu a visita de Francisco de Assis, que estranhou muito o medo do povo. Francisco se negava a aceitar que o terrível lobo assustasse tanto àquelas pessoas. Para ele, os corações dos moradores abrigavam uma outra causa tão destrutiva como pareciam ser os próprios dentes da fera.

Francisco então ofereceu-se para ajudar. Resolveu sair ao encontro do lobo, sozinho e desarmado, portando apenas a sua conhecida simpatia e benevolência pelos animais, além, é claro, da força da Cruz.

De dentro da floresta, o perigoso lobo foi ao encontro de Francisco, raivoso e de boca aberta, exibindo suas presas mortais, pronto para devorar o corpo do santo. Contudo, quando o lobo percebeu as boas intenções de Francisco e ouviu como este se dirigia a ele como a um irmão, cessou seu ataque e ficou muito surpreendido.

Francisco de Assis anulou a violência que havia no irmãozinho lobo. O animal, de olhos arregalados, viu que aquele homem o olhava com infinita bondade. Francisco então falou para o lobo: “Irmãozinho lobo, quero somente conversar com você, meu irmão. E caso você esteja me entendendo, levante, por favor, a sua patinha para mim!”

O irmãozinho lobo, então, perante tamanha vibração de amor e carinho, levantou, confiante, a pata da frente, e calmamente repousou sua garra na mão aberta de Francisco. Então, Francisco disse-lhe, cheio de amor: “Querido irmãozinho lobo, quero fazer um trato com você! De hoje em diante vou cuidar de você, meu irmão!”

“Você vai morar em minha casa, vou lhe dar comida e você irá sempre me acompanhar e seremos sempre amigos! Você, por sua vez, também será amigo de todas as pessoas desta cidade, pois de agora em diante você terá uma casa, comida e carinho. E assim, não precisará mais matar nem agredir ninguém para sobreviver.”

Com a promessa de nunca mais lesar nem homem nem animal, foi o lobo com Francisco até a cidade. Também o povo da cidade abandonou sua raiva e começou a chamar o lobo de irmão. Prometeu dar-lhe cada dia o alimento necessário. Finalmente, o irmão lobo morreu de velhice, pelo que, todos da cidade tiveram grande pesar.

Ainda hoje se mostra, em Gubbio, um sarcófago feito de pedra, no qual os ossos do lobo estão depositados e guardados com grande carinho e respeito durante séculos. Esta história foi contada no final do século 14, numa obra de autor desconhecido, intitulada As Pequenas Flores de São Francisco.

4 Respostas

  1. Saudações!!!

    quero que tudo bem!

    estava procurando essa estória e cheguei aqui…

    gostaria de saber se encontro a versão total dela…

    na que conhecia…

    o diálogo de S. franciso com o Lobo era mais longo e passagem por uma rica comprensão da diferença entre a natureza humana e do anima…

    e também depois que o lobo se instalou na cidade e o povo não teve mais medo dele… começaram a não tratar mais corretamente o lobo… que sai da cidade e volta a caçar…

    há um novo diálogo de S Francisco com o Lobo…

    enfim…

    deparastes com inúmeras versões?

    abraços dos mares do sul

  2. Olá Benter,

    Obrigado pela sua mensagem. Seja bem-vindo!

    É provável que a versão que você conheceu estivesse acrescida pelas percepções do autor do texto, ou ainda tivesse sido versada em linguagem mais extensa.

    A versão que postamos é mais simples, pois optamos por deixar a reflexão por conta de cada leitor.

    Abraços!

  3. Pingback : Os 7 Santos Mais Valentões do Catolicismo | SGI

  4. Vera Pinto Medeiros

    Muito obrigada pelos esclarecimento que necessitava.Lendo o livro Brasil,coração do mundo ,PÁTRIA DO EVANGELHO há citação dos lobos de Gubbio e eu desejei saber.Com afeto…Livro espírita.

Deixe um Comentário