Bem-vindo a Sociedade Gnóstica Internacional

25 maio 2012

O Lado Negro do Chocolate (Documentário)

É muito difícil ter que encarar de frente certas verdades muito tristes, especialmente quando elas são revestidas por sensações prazerosas, mas é preciso saber que enquanto as pessoas aproveitam a doçura do chocolate no conforto de seus lares, muitas crianças africanas não sentem outra coisa senão o sabor muito amargo deste mesmo produto.

Em 2001, consumidores ao redor do mundo ficaram revoltados ao descobrir a existência de escravidão e trabalho infantil, tráfico de crianças e outros abusos nas fazendas de cacau na Costa do Marfim, um país responsável por aproximadamente a metade de toda a produção mundial de cacau. Uma avalanche de publicidade negativa e exigências dos consumidores exigiam respostas, e uma série de soluções foram propostas.

Dois membros do Congresso dos Estados Unidos da América, o senador Tom Harkin e o Deputado Eliot Engel, levantaram o tema ao apresentarem uma nova perspectiva sobre um projeto de lei na área da agricultura, que propunha um sistema federal de certificação dos produtos feitos de chocolate como livres de trabalho escravo.

O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados e criou um desastre potencial para empresas como Cargill, Archer Daniels Midland, Hershey’s, Nestle, Barry Callebaut, Saf-Cacao e outras produtoras de chocolate.

Para evitar uma legislação que forçaria as companhias a rotular seus produtos com o selo “sem trabalho infantil” (para o qual a maioria delas não possuia qualificação), a indústria contra-atacou e concordou em firmar voluntariamente um acordo para terminar o trabalho infantil forçado e abusivo nas fazendas de cacau até 2005.

Em 2005, a indústria do cacau falhou e não foi capaz de cumprir os termos do acordo, ao que uma nova data limite foi estabelecida para o ano de 2008. Como já era esperado, em 2008 os termos do protocolo ainda não tinham sido alcançados, e mais uma vez a data limite para o cumprimento do acordo fio estendida, desta vez para 2010.

Quase uma década depois que as companhias produtoras de chocolate, os governos e as fundações especializadas gastaram milhões de dólares em esforços para erradicar o trabalho infantil e o tráfico de crianças no mercado internacional de cacau, pouca coisa parece ter mudado.

Neste documentário, uma equipe de jornalistas investiga como o tráfico humano e o trabalho infantil na Costa do Marfim abastecem a indústria mundial de chocolate. Os membros da equipe entrevistaram tanto os mantenedores quanto os combatentes deste tipo de prática, e usaram câmeras escondidas e identidades falsas para vasculhar o mundo árido e difícil das plantações de cacau.

Assista abaixo ao documentário completo:
(legendas em português)

Deixe um Comentário