Bem-vindo a Sociedade Gnóstica Internacional

4 jun 2012

Evangelho Afirma que Jesus Não é Filho de Deus

Mantida em segredo por muitos anos, uma versão da Bíblia na qual Jesus prediz a vinda de Maomé para a Terra acabou despertando o interesse do Vaticano. Até mesmo o Para Bento XVI manifestou desejar ver o livro, que supostamente possui cerca de 1500 anos de idade, considerado por muitos como o Evangelho de Barnabé, que foi escondido pelo governo turco pelos últimos doze anos.

Escrito em letras aramaicas douradas, o Evangelho de Barnabé contém uma perspectiva a respeito da vida de Jesus, seus ensinamentos originais e a sua predição a respeito da vinda de Maomé. Ele teria sido escrito pelo próprio Barnabé, quem no texto aparece como discípulo direto de Jesus e como um de seus doze apóstolos.

O texto foi descoberto pela polícia turca no ano 2000, em uma operação de combate ao contrabando. Desde então, até o ano 2012, ele permaneceu guardado, quando foi entregue ao Museu de Etnografia de Ancara.

Em breve, logo após uma pequena restauração, ele será exibido ao público. Estima-se que o manuscrito completo valha cerca de 44 milhões de reais, enquanto uma simples fotocópia de uma única de suas páginas, quase 5 milhões de reais.

Numa declaração polêmica, o Ministro da Cultura e do Turismo da Turquia, Ertugrul Gunay, afirmou que o livro pode ser a versão autêntica do Evangelho que teria sido suprimido pela Igreja Cristã devido aos seus paralelos evidentes com a visão islâmica de Jesus. Nesta visão, absolutamente rejeitada pela Igreja Cristã, Jesus é tratado como um ser humano, e não como Deus.

E quem foi o causador inicial de toda esta polêmica? Barnabé nasceu no Chipre, e vivou na mesma época que Jesus. Tendo se tornado cristão, mais tarde foi nomeado apóstolo, tendo realizado junto com o apóstolo Paulo muitas viagens pelas terras dos gentios realizando conversões e pregando o Evangelho. Barnabé é identificado como o fundador da Igreja Ortodoxa de Chipre.

Leia ainda:

O Santo Sudário e a Ressurreição de Jesus
Os 7 Milagres Mais Impressionantes da Bíblia
A Origem do Poder dos Cavaleiros Templários
Ovos de Páscoa: Pagãos ou Cristãos?
Os 7 Santos Mais Durões do Catolicismo

O Evangelho de Barnabé rejeita as ideias da Santíssima Trindade e da Crucificação, revelando que Jesus previu a vinda do Profeta Maomé. Em uma de suas versões aparece Jesus dizendo a um sacerdote: “Como o Messias deverá ser chamado? Seu nome abençoado é Maomé.” Em outra passagem Jesus nega ser o Messias, afirmando que Ele deveria ser ismaelita, termo usado para designar um árabe.

Apesar de todo o interesse no manuscrito recém-descoberto, muitos acreditam que ele seja falso, pois teria sido escrito ainda no século XVI. Na verdade, as versões mais antigas deste Evangelho que são conhecidas datam daquela época, e foram escritas em espanhol e italiano. Outro fato que chama a atenção é que Barnabé viveu durante o primeiro século, e o manuscrito viria dos séculos V ou VI, fazendo com que ele tivesse sido escrito por discípulos de Barnabé, e não o próprio.

Mesmo assim, o Evangelho de Barnabé mantém a controvérsia em virtude de outras passagens, como o capítulo 41, no qual pode ser lido: “Deus se disfarçou como o Arcanjo Miguel e expulsou Adão e Eva do Éden. Quando Adão retornou, notou que no topo do portão de acesso ao Éden estava escrito La elah ela Allah, Mohamad rasool Allah, que significa Alá é o único Deus e Maomé é seu profeta.”

Todas estas informações polêmicas contidas no Evangelho de Barnabé, como a negação de Santíssima Trindade, da Crucificação e da natureza divina de Jesus, além do reconhecimento feito por Jesus de que Maomé seria o verdadeiro Messias, servem de fundamento para o boicote do Cristianismo por parte do regime iraniano.

Recentemente, um oficial aposentado de Inteligência da Guarda Revolucionária do Irã revelou que dezenas de milhares de Bíblias foram confiscadas e queimadas, seguindo uma ordem dada pelo líder supremo do Irã, o Aiatolá Ali Khamenei. De acordo com o próprio líder, a Bíblia não pode ser considerada um livro sagrado, e por isso queimá-la não é um ato moralmente reprovável.

Outro Aiatolá, Jafar Sobhani, proclamou recentemente que o Alcorão, tendo sido o último dos livros sagrados, provê a mais completa religião de todo o mundo. Da mesma forma, sendo Maomé o último profeta, não existe qualquer autoridade a ser respeitada nos demais livros.

5 Respostas

  1. Rodrigo

    Nessa to do lado do irã, o cristianismo só traz mortes e desgraça no mundo, tomara que esse evangelho seja verdadeiro, ficarei feliz e satisfeito com essa religião cristã afundando.

  2. Amaro da Silveira

    Provavelmente a verdade sobre o Cristianismo virá, mas não tão cedo. Acredito que, se Jesus viesse ao mundo hoje, diria:
    EU NÃO SOU CRISTÃO, face as adulterações sofridas pela doutrina. As religiões transformaram-se em comércio da fé e tudo fazem para dominar um número maior de seguidores. O Catarismo dos primeiros Cristãos foi destruídos pelas Cruzadas em uma tentativa de manterem a posição romana dos Evangelhos. Esse é o panorama que vejo, mas não estou desesperançado, pois acredito que o homem vai encontrar a razão.

  3. Domingos Francisco

    Não podemos simplesmente abdicar das nossas crenças só porquê este evangelho diz que Jesus não filho de Deus. Todavia, especielistas dizem que isto pode
    Ser falso!

  4. Olá Domingos,

    Muito obrigado pelo seu comentário.

    Aos gnósticos não interessam as crenças, e sim a VERDADE. Essa é uma só, independe opiniões, e deve ser encontrada nas profundezas de sua própria alma.

    Abraços Fraternos!
    Paz Inverencial!

Deixe um Comentário