Bem-vindo a Sociedade Gnóstica Internacional

5 nov 2013

Música Transcendente e Mirabai Ceiba

A música, os sons e ritmos acompanham os seres desde que o mundo é mundo. Ela está presente em tudo, no vento das árvores, na chuva, no uivar de lobos e nos lábios que sopram, cantam e beijam. Os sons nos trazem não apenas beleza, mas as notas musicais [dó, ré, fá sol, lá, si] contêm em si relações matemáticas sagradas geradoras do som correspondente.

Para muitos, a música se restringe a uma mera distração, mas ela é potencialmente um verdadeiro bálsamo para a alma. Se trazemos a consciência para ela, como os sons nos fazem vibrar, a música se converte em um alimento do corpo vital, nutrindo o Ser com as melhores qualidades como harmonia, inspiração, expansão espiritual da consciência, atuando como um agente de cura.

Música Transcendente e Mirabai Ceiba“O indivíduo comum nem de longe suspeita dos poderes que podem ser transmitidos à Terra por meio da música. Porém está rapidamente se aproximando a hora em que o Homem escolherá sua música com o mesmo cuidado inteligente e o mesmo conhecimento que ele usa agora para escolher sua comida. Quando essa hora chegar, a música tornar-se-á uma fonte importante de cura para muitas doenças individuais e sociais, e a evolução humana será tremendamente acelerada.” (Corinne Heline, Esoteric Music)

Os sons que ouvimos trabalham no âmago de forma direta, porém sutil. Muitas vezes não percebemos as influências musicais nos centros de energia. Quanto mais harmônicas as notas, elas têm mais condições de nos proporcionar uma melhora na saúde física, na estabilidade emocional, na concentração mental e na sensibilidade espiritual.

É tudo uma questão de freqüência, já que os chakras e a própria aura são como um rádio, que sintonizam energias mais baixas ou mais altas. A própria Teoria das Cordas da física quântica explica porque ao tocar uma corda, outra naquele mesmo tom vibra em ressonância sem ter sido tocada. O próprio conceito de harmonia veio de Pitágoras e significa música, sendo tida como método de elevação e purificação da alma. Curiosamente em segundo plano foi entendida também como tradução para matemática.

Concomitantemente, ela também era objeto de reflexão intelectual que decifrava a real Harmonia vinda do Cosmos, questionando-se, por exemplo, o que determinaria a distância entre os planetas e o Sol. Contemplando-se sua beleza, a trajetória dos planetas no Sistema Solar foi batizada de “Harmonia das Esferas” e partindo do princípio que estamos no Universo e ele em nós, ‘o homem é parte desse cosmos, e cabe a ele descobrir qual é o seu lugar nesse conjunto e estabelecer a harmonia entre ele e o seu redor.’

“À Música encerra em tons, elementos de ordem celestial que governa o universo inteiro” (Filosofia Chinesa)

Como não vemos os corpos mais sutis nem as ondas de vibração energética que regem tudo que há, não nos é tão óbvio a influência da música. Atualmente já existem estudos que mostram a nível molecular como os sons afetam diretamente a matéria. Sabe-se que o nosso organismo vibra em nível celular numa frequência que rege nossos átomos e nossos órgãos, buscando a harmonia, se igualam às ondas sonoras e ritmos que escutamos e sentimos.

Recentemente, no Japão, o estudioso e cientista Dr. Masaru Emoto realizou uma experiência tocando músicas clássicas próximas à moléculas de água. Em análise microscópica, provou que elas se agruparam em forma de belas mandalas, ficavam crescentemente mais luminosas e se expandiam – como o Universo. Uma real maravilha do micro ao macrocosmos e nós, humanos, ligando o que há em cima e embaixo.

“A música consegue liberar as tensões do coração e aliviar a pressão das emoções. (…) O entusiasmo do coração exprime-se espontaneamente num assomo de canto, na dança e nos movimentos rítmicos do corpo. Desde tempos imemoriais o efeito inspirador do som invisível, que agita todos os corações e os aproxima, vem fascinando a humanidade.” (I Ching)

Eu particularmente sempre gostei de músicas mais densas, como o rock’n’roll, blues, jazz e soul. Entretanto, desde que retomei a senda do desenvolvimento espiritual, tenho desfrutado bastante da música clássica, new age e inspiracional. Essas e similares são conhecidas como músicas elevada e tornam o ambiente mais leve.

Há ainda algumas vertentes que potencializam a força da música com os mantras que significam “palavras de poder”. Se sintonizamos essa vibração positiva, é possível perceber a própria energia do Ser sendo espiralada às alturas, levando a um estado de transcendência.

Nestas minhas buscas, encontrei vários artistas talentosos e reconhecidos, mas um casal em especial gnosticamente me chamou a atenção.

” …Procurai um homem que seja um bom harpista: e acontecerá,… que ele tocará com a sua mão e ficareis curado’ (…) Davi tomou uma harpa e tocou com sua mão: e Saul sentiu-se revigorado, ficou bom, e o espírito do mal o deixou.” (I Samuel 16:16 e 23)

MIRABAI CEIBA

O duo Mirabai Ceiba é formado pelo violonista e cantor alemão Markus Sieber e a cantora, harpista e tecladista americana Angelika Baumbach. Eles se conheceram em uma feira de rua na Escócia, se apaixonaram e decidiram compartilhar seu amor com o mundo através da sua música, impregnada de espiritualidade, ternura e beleza.

“A música deles vem de um espaço de puro amor.” (Deva Premal)

Envoltos nesse amor transcendental, escolheram o nome Mirabai Ceiba, que incorpora as influências da Índia e da América Nativa. Mirabai (1498 -1547) foi uma cantora mística Hindu. Suas canções expressam a fusão do eu individual com o eu universal. E a Ceiba é uma árvore sagrada da América Latina, que nunca é cortada e cresce muito em altura.

“Queremos que a nossa música seja como a Ceiba, com profundas raízes na Mãe Terra e galhos que se estendem para o Pai Celestial.” (Markus e Angelika)

A música de Mirabai Ceiba é celestial, uma sublime mistura dos sons delicados da harpa, o harmônio, o violino e o violão, banhados com cânticos de amor em vozes gentilmente sincronizadas. Seus concertos são uma experiência de cura através da música, elevando a consciência e proporcionando o despertar, celebrando coletivamente a paz, alegria e amor.

“Mirabai Ceiba, com sua música, leva-nos ao reino divino de espírito que todos nós almejamos.” (Snatam Kaur)

O amor através da música é a língua universal que une as pessoas, culturas e tradições do mundo. Mirabai Ceiba vive isso como sua verdade e traz também em suas composições palavras de grandes mestres, espalhando mensagens elevadas, propícias à reflexão e recordação íntima de si mesmo. Há a parecença de Rumi, na vigorosa Despierta e na suave A Hundred Blessings, e Khalil Gibran na linda Between The Shores Of Your Souls, entre outras.

Impossível ver e escutar esse casal e não perceber a Luz que brilha quando os dois pólos se unem em alquimia íntima e propósito de espalhar a paz e o amor universal!

“O que nos inspira é conectar nossos corações com o coração universal, e reunir pessoas para cantar juntos e manifestar nossas intenções de cura, amor e paz.” (Mirabai Ceiba)

Em 2015, pela 4ª vez no Brasil, eles estarão somente em Curitiba no final de Março, show no dia 20 (sexta) no Teatro Fernanda Montenegro e workshop no dia 21 (sábado) na FACOP. Para informações e inscrições Acessem o facebook Mirabai Ceiba de Volta ao Brasil ou pelo email olivia@rodaexperience.com. Em 2013, eles estiveram no Brasil em novembro, com apresentações no Rio de Janeiro (dias 7 e 9), em São Paulo (dias 10 e 12) – daquela vez finalizando e desta vez iniciando a turnê latinoamericana.

Eis a oportunidade de experimentar uma cultura sublime, alimentando o espírito das energias curativas da música que nos faz transcender. Sons de amor que nos levam às alturas.

Mais informações e ingressos, acesse o site da Roda Experience.

Conheça outras músicas do duo através do Spirit Voyage.

15 Respostas

  1. OLGA APARECIDA CAMPOS MACHADO SILVA

    Querida Olívia! É sempre um prazer ler artigos seus. Da mesma maneira que ouvir uma boa música é um deleite, ler um artigo seu é como um bálsamo. Interessei-me muito em ler sobre a Teoria das Cordas, já que estou estudando mecânica quântica. Grande abraço.

  2. Olá Olga! Gratidão pelo carinho.
    Quando tiver coisas para complementar com os seus estudos e reflexões, há esse espaço dos comentários disponível para trocarmos ainda mais.
    Abraços fraternos!

  3. Lindo seu texto Olivia! sou compositor e trabalho com musica sagrada…e tambem tenho uma filha chamada Olivia eeee!!! kkk vc conhece bem o assunto …parabens! depois se quiser conhecer meu trabalho,por favor va no site da gravadora e em catalogo de cds….muita coisa em video e som bjusss

  4. Olá Marcus!
    Eu conheço e adoro o seu trabalho!! Tanto as trilhas mais conhecidas, como de O Clone e A Casa das Sete Mulheres, quanto outras preciosidades que você compõe. Esse ano tivemos um evento super bacana na SGI com a participação do Fernando Salazar Bañol e a maioria das meditações (senão todas hehe) que ele conduziu foram ao som das suas músicas. Gratidão por espalhar beleza pelo mundo e parabéns!
    Um forte abraço,
    Olívia – a chará hehe
    *bela escolha para sua filha, em um de meus estudos descobri o significado lindo para esse nome: “aquela que traz a Paz”.

  5. Alepo

    Eu não vejo aqui referência específica à essência musical. O talento de Mirabai Ceiba é limitado, são músicas estilo “soft pop ‘cujo conteúdo pode ser encontrada em livros supostamente místicas calmamente. Música bonita na camada externa, mas não pode encontrar, por fim, que este “transcende” a informação típica. Usado para relaxar no sofá ou na melhor das hipóteses, a pretensão de ter Mirabai Ceiba no staff do clube… nada mais!

  6. Alepo

    Giordano, isso é tudo? Sua resposta é simplona como o artigo apresentado. Obrigado pela resposta. Eu não tenho nada a fazer aqui!

  7. Olá Alepo!

    Eu escrevi o texto com essa intenção de simplicidade mesmo, está sendo um bom exercício para mim conseguir ser mais sintética na minha expressão. A primeira parte fala mais acerca da música em geral e a segunda introduzir um pouco do som de Mirabai Ceiba. Eu me sinto elevada quando em contato com essas músicas e ao acompanhá-los na turnê pelo Brasil, vi incontáveis pessoas terem vários insights e outros processos durante as apresentações. Eles criam um ambiente propício para o despertar através da música.

    Mas nem tudo é para todos, há pessoas que tê desdobramento astral ouvindo Pink Floyd e até Iron Maden, então tudo bem se pra vc essa música de Mirabai Ceiba não te faz transcender algo dentro de si. Não existe uma única maneira certa para se atingir as esferas superiores, cada um encontra aquilo que mais lhe serve.

    Aqui não queremos emitir dogmas rígidos nem verdades absolutas, apenas compartilhando reflexões e experiências com muito respeito.

    Abraços fraternos!

  8. Nousvate

    Parabens pela a sua vontade de querer alcancar a simplicidade,quanto a musica e seu estilo nao o conheco mas concordo que qualquer conbinacao sonorica que harmonize nossos sentidos em uma escala superior e valido no trabalho de revalorizacao de nossas virtudes

  9. Maurizio

    Olívia tenho costume de ouvir metal progressivo(tem um pouco da idéia do psicodélico) que possui uma estrutura similar com a música clássica….
    Pode fazer mal para a consiência???

    Costumo Ouvir:Steven Wilson
    Haken

  10. Maurizio

    Mas você poderia falar um pouco da visão de vocês sobre esse tipo de música(metal progressivo tipo psicodélico)

    Recordo que possui uma estrutura musica parecida com a clássica…

    Acredito que Pink Floy entra neste estilo musical apesar de não ter ouvido ainda….

  11. Olá Maurizio!
    Na minha visão, as músicas por si só não são boas ou ruins, mas sim a maneira como nos relacionamos com essa vibração é que importa. Idependentemente do que vc esteja escutando, o fundamental é você estar com o foco dentro de você e percebendo, sentindo o que naquela música ressona em você.
    Pode ser que num dia você perceba que ela te leva num transe, e as vezes a mesma música outro dia pode “te deixar” irritado… depende. Porque na verdade essas vibrações nos propiciam a reconhecer o que estamos vibrando, entende?
    Eu adoro músicas clássicas ou mais suaves como de Mirabai, me sinto elevar. Mas tem dias que eu acho um saco e quero ouvir algo mais denso, pq estou naquela faixa vibracional, e a própria música me ajuda a depurar o que preciso… compreende?
    Não sei se consegui esclarecer um pouco mais, espero que sim. Uma boa dica sempre é ligar o som e senti-lo.
    Abraços!

Deixe um Comentário